Olhar Jurídico

Sábado, 25 de janeiro de 2020

Notícias / Civil

MP arquiva investigação contra delegada acusada de participação em grampos

Da Redação - Arthur Santos da Silva

09 Dez 2019 - 16:11

Foto: Olhar Direto

MP arquiva investigação contra delegada acusada de participação em grampos
O Conselho Superior do Ministério Público de Mato Grosso (MPE) homologou no dia dois de dezembro a promoção de arquivamento de investigação contra Alessandra Saturnino de Souza, inicialmente acusada de praticar improbidade administrativa. Inquérito avaliava se a delegada havia violado leis ao supostamente participar de interceptações telefônicas ilegais no âmbito da Operação Forti.

Leia também 
Juiz classifica como inútil ouvir membros do MPE em ação sobre compra de vaga no TCE

 
Na caso, o ex-secretário da Casa Civil no governo Pedro Taques, Paulo Taques, foi acusado de ter idealizado e coordenado um esquema de escutas telefônicas ilegais contra Tatiane Sangalli Padilha e Caroline Mariano.
 
Paulo Taques teria criado a versão de que haveria um plano, comandado pelo bicheiro João Arcanjo Ribeiro, de promover atentado contra a vida do governador Pedro Taques. Com a suposta história, teria incluído os números dos telefones de Tatiane Sangalli Padilha e Caroline Mariano na investigação.
 
Conforme o Ministério Público, a execução dos atos ilegais não foi iniciativa de Alessandra Saturnino. Na época, ocupando o posto de secretária adjunta de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública, suas atribuições eram de natureza eminentemente político-administrativa.
 
“Quanto à investigada Alessandra Saturnino de Souza, restou demonstrado que sua atuação se restringiu ao repasse dos informes obtidos junto a Paulo César Zamar Taques, à quem tinha a incumbência de proceder a investigação, no caso a Delegada Alana Derlene Sousa Cardoso”, afirma trecho do relatório homologado.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Eliane
    10 Dez 2019 às 09:54

    Então ela passou uma ordem do secretário Paulo, diga-se de passagem, ordem absurda e não tem culpa de nada! Legal!

Sitevip Internet