Olhar Jurídico

Sábado, 26 de setembro de 2020

Notícias / Criminal

Toffoli substitui Fux como relator de delações da família Barbosa e inquérito contra Bezerra

Da Redação - Arthur Santos da Silva

11 Set 2020 - 11:00

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Toffoli substitui Fux como relator de delações da família Barbosa e inquérito contra Bezerra
O Ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), substituirá o colega Luiz Fux na relatoria de processos relacionados à Operação Ararath. A lista de casos contém as delações premiadas do ex-governador Silval Barbosa, do ex-secretário Pedro Nadaf e um inquérito que tem como foco o deputado federal Carlos Bezerra (MDB).

Leia também 
MPF alerta sobre plano de invasão em loteamento com 1,5 mil moradias

 
A substituição ocorre em razão em razão da posse de Luiz Fux, na quinta-feira (10), na Presidência do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). A solenidade contou com a presença dos presidentes da República, Jair Bolsonaro, da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e do Senado Federal, Davi Alcolumbre, e do procurador-geral da República, Augusto Aras.
 
O inquérito contra Bezerra, identificado pelo número 4639, é proveniente da Operação Ararath e possui como núcleo fático supostos empréstimos fraudulentos pagos com dinheiro público. Há suspeita de desvio de recursos públicos destinados à execução da obra de ampliação e pavimentação do aeroporto de Rondonópolis (212 km de Cuiabá).
 
O valor em tese desviado foi utilizado para cobrir dívidas da campanha de 2010. Também é citada fraude na desapropriação do imóvel que deu origem ao bairro Jardim Renascer, em Cuiabá.
 
Constam como investigados, além de Bezerra, José Carlos Ferreira da Silva, o ex-secretário de Infraestrutura e Logística, Cinésio Nunes de Oliveira, o ex-superintendente de obras e transportes, Tércio Lacerda de Almeida, o representante legal da empresa Ensercon, Marcílio Ferreira Kerche, Edmar Alves Botelho, Esmeraldo Teodoro de Mello e o engenheiro Pedro Maurício Mazzaro. 

O termo de delação de Silval, identificado pelo número 7085, comporta ainda as colaborações de Roseli de Fátima Meira Barbosa, Rodrigo da Cunha Barbosa, Antônio da Cunha Barbosa Filho e Sílvio Cézar Correa Araújo.
 
Em sua delação premiada, Silval Barbosa se comprometeu a devolver aproximadamente R$ 70 milhões entre bens e dinheiro. Roseli Barbosa, esposa de Silval, também se comprometeu a devolver R$ 2,4 milhões. Antonio Barbosa, irmão do ex-governador, acordou a restituição de 3,4 milhões. Rodrigo Barbosa, filho de Silval e Roseli, firmou acordo de R$ 3,5 milhões.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet