Olhar Jurídico

Terça-feira, 11 de agosto de 2020

Notícias / Civil

Defensoria recomenda que Governo altere critério de risco para impor medidas mais restritivas aos municípios

Da Redação - Fabiana Mendes

03 Jul 2020 - 17:55

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Defensoria recomenda que Governo altere critério de risco para impor medidas mais restritivas aos municípios
A Defensoria Pública de Mato Grosso protocolou nesta quinta-feira (2) uma recomendação ao governador, Mauro Mendes (DEM), e ao secretário estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo, para alteração dos critérios de risco dos 141 municípios. 

Leia mais:
Defensoria entra com 39 ações para garantir UTIs e denuncia que 100% dos leitos estão ocupados

O pedido é para que eles levem em consideração o número de habitantes de cada cidade, e não apenas os casos confirmados de Covid-19. Sendo assim, seriam impostas medidas mais restritivas estabelecidas nos Decretos 522 e 532 a todos os municípios do estado, com o intuito de evitar a disseminação do novo coronavírus.

O ofício, que serve como mandado de notificação, assinado pelo defensor público-geral, Clodoaldo Queiroz, solicita resposta do Governo do Estado em até 48 horas.

"Nós, defensores e defensoras, estamos na linha de frente do atendimento justamente das pessoas que não conseguem a assistência que deveriam ter nos leitos dos hospitais, principalmente de UTIs.  E a situação está ficando caótica, de modo que nem com a intervenção do Poder Judiciário está sendo possível conseguir, no tempo necessário, esse atendimento de urgência", afirmou Queiroz.

Segundo o defensor público-geral, o critério atual, que leva em conta apenas os casos confirmados de Covid-19 por município, é desproporcional para municípios com poucos habitantes. "Tem município que tem mil e poucas pessoas, então dificilmente terá 50 contaminados. E, por conta disso, esses municípios não ficam obrigados a seguir essas medidas de restrição do decreto, o que está criando uma distorção muito grande", destacou.
 
Para se ter uma ideia, de acordo com o último boletim informativo (no 116), divulgado ontem (dia 2) pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT), Porto Espiridião, com 12.017 habitantes (segundo estimativa populacional de 2019 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), tem 146 casos confirmados de Covid-19, ou seja, 12,14 casos a cada mil habitantes, proporcionalmente maior do que Cuiabá, com  612.547 habitantes (2019/IBGE) e 4.342 casos confirmados do novo coronavírus, cerca de 7,09 casos a cada mil habitantes.

Considerando apenas os casos ativos de Covid-19, ou seja, excluindo os óbitos e os casos recuperados, Porto Espiridião contabiliza 53 casos, ou seja, 4,4 casos a cada mil habitantes. Já Cuiabá, com 3.438 casos em monitoramento, tem 5,6 casos a cada mil habitantes.

No entanto, segundo o Decreto 532, Porto Esperidião, com 53 casos em monitoramento de Covid-19, figura na categoria dois (municípios com 51 a 150 casos ativos) e teria que adotar medidas menos restritivas do que Cuiabá, classificada na categoria três (municípios com mais de 150 casos ativos), com 3.438 casos em monitoramento, mesmo tendo proporcionalmente mais casos totais confirmados de Covid-19 do que a capital por habitante, e números parecidos se considerados apenas os casos em monitoramento.

A Assessoria de Imprensa da Secretaria de Estado de Saúde informou que os casos ativos de Covid-19, citados no decreto, referem-se apenas aos casos em monitoramento (e não ao total de casos) divulgados diariamente nos boletins informativos. A assessoria jurídica da SES-MT declarou que, até o momento, não recebeu a recomendação da Defensoria Pública.

"Estou fazendo uma recomendação ao governador para que mude esse critério e passe a considerar a população do município, de modo que seja proporcional a quantidade de contaminados e a população, para considerar o risco, risco alto, e o município fique obrigado a adotar as medidas", explicou Queiroz.

O defensor público-geral de Mato Grosso também defendeu a articulação das ações do Governo do Estado com os municípios. "Uma das causas para essa diversidade de atuação dos gestores municipais é o fato de o decreto governamental ter estabelecido níveis de classificação de risco considerando apenas nominalmente a quantidade de casos ativos, e não proporcionalmente em relação à população local.  Se for considerado o número de casos ativos por mil habitantes, por exemplo, municípios que hoje são considerados como sendo de risco baixo ou moderado passariam a ser considerados como de risco alto ou muito alto", sustentou. (As informações são da assessoria de imprensa da Defensoria Pública)

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet