Olhar Jurídico

Quarta-feira, 15 de julho de 2020

Notícias / Civil

MP diz que decreto de VG não cumpre decisão judicial e pede imposição de quarentena obrigatória

Da Redação - Vinicius Mendes

25 Jun 2020 - 09:28

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

MP diz que decreto de VG não cumpre decisão judicial e pede imposição de quarentena obrigatória
Os promotores Alexandre de Mattos Guedes e Audrey Ility, 6ª Promotoria de Justiça Cível da Comarca de Várzea Grande, encaminharam um requerimento à Justiça pedindo a imediata intimação do município para que cumpra a decisão que determina o "lockdown", sob pena de aplicação da multa diária de R$ 100 mil. Eles consideraram que o decreto publicado por Várzea Grande não cumpre a decisão.

Leia mais:
PGJ diz que prefeito é 'preconceituoso' por considerar apenas atendimento a cuiabanos na capital

O Ministério Público citou que a decisão judicial determinava que os municípios de Cuiabá e Várzea Grande sigam o decreto do Estado com as medidas de prevenção contra a Covid-19, como quarentena obrigatória e barreiras sanitárias. Caso a medida não fosse cumprida seria aplicada multa diária de R$ 100 mil.

Os promotores disseram que após a decisão o município de Várzea Grande expediu o Decreto Municipal nº 41/2020, revogando todos os anteriores decretos que tratavam das medidas de distanciamento social. No entanto, verificaram que este decreto não segue as recomendações do decreto estadual e assim está em desacordo com a decisão judicial.

"Vê-se do Decreto Municipal nº 41/2020, que se limitou a restringir o funcionamento das atividades econômicas privadas, sendo omisso, porém, em relação a quarentena obrigatória e barreiras sanitárias, recomendadas pelo Estado de Mato Grosso e deferidas por esse Juízo".

O MP entende que Várzea Grande deveria ter determinado a proibição da circulação de pessoas, em horário integral, exceto para o exercício ou acesso a atividades essenciais. Também argumentou que o decreto municipal deixou de atender outras recomendações.

"A omissão sobre a quarentena obrigatória e a instalação de barreiras sanitárias propicia a circulação de pessoas, propiciando o aumento das contaminações pela Covid-19. Da mesma forma, a abertura de estabelecimentos comerciais considerados não essenciais contribui para a disseminação da doença e confronta o recomendado no Decreto Estadual e a tutela provisória de urgência", argumentaram os promotores.

Os representantes do Ministério Público então requereram a intimação do Município de Várzea Grande, para que, imediatamente, em cumprimento à decisão judicial, imponha a quarentena obrigatória e as barreiras sanitárias em seu território, sob pena de aplicação da multa diária de R$ 100 mil.

4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • ze vg
    25 Jun 2020 às 13:53

    esses promotores e esse juiz é daquela turma quanto pior melhor

  • Luismar Morada do Ouro
    25 Jun 2020 às 10:59

    Concordo. É necessário disciplina. Coerção. Chicote. Se não povo vai ficar passeando na rua. Borracha neles.

  • parasita
    25 Jun 2020 às 10:58

    Na Secretaria de Saúde do Estado estão impedindo os servidores de exercerem o direito de tirarem férias ou licença. secretário de saúde do estado, gilberto figueiredo é incoerente, pois na sede da secretaria está executando obras de reformas com grande aglomeração e os servidores correndo grande risco de serem infectados. Só agora a secretaria está cumprindo o decreto e os servidores estão trabalhando das 7:30h às 13:30h, com revezamento, mas estão querendo rever isso. Quando o servidor testa positivo, simplesmente some e abafam o caso. Só depois que se fica sabendo que está com o vírus.

  • Antonio
    25 Jun 2020 às 10:23

    A prefeita deveria colocar esses promotores pra governar logo. É o STF fazendo escola agora, pra que eleição se agora juiz pode governar sem nunca ter um voto da população.

Sitevip Internet