Olhar Jurídico

Sábado, 30 de maio de 2020

Notícias / Constitucional

PGE aciona União por causa de norma que define alíquota previdenciária diferenciada para militares

Da Redação - Vinicius Mendes

20 Mai 2020 - 10:07

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

PGE aciona União por causa de norma que define alíquota previdenciária diferenciada para militares
O Estado de Mato Grosso, por meio da Procuradoria Geral do Estado (PGE), entrou com uma ação contra a União, pedindo que seja reconhecida a inconstitucionalidade de artigos de Instrução Normativa do Governo Federal que impõe alíquota previdenciária diferenciada a militares ativos, em todo o país. O Estado de Mato Grosso já havia aprovado alíquota da contribuição previdenciária devida pelos servidores públicos civis e militares no importe de 14%.

Leia mais:
Juíza condena postos de Cuiabá a pagar R$ 500 mil por infrações em venda de combustível

A PGE entrou com a ação civil originária, com pedido de tutela provisória de urgência, contra a União. Ela relata que o Estado de Mato Grosso editou a Lei Complementar Estadual nº 654 de 19 de fevereiro de 2020, que alterou a lei que dispõe sobre a contribuição previdenciária dos servidores públicos civis e militares ativos, inativos e pensionistas de Mato Grosso, e dá outras providências, para fixar a alíquota da contribuição previdenciária devida pelos servidores públicos no importe de 14%.

No entanto, cita que a União, por meio da Secretaria Especial da Previdência e do Trabalho do Ministério da Economia, editou uma Instrução Normativa que impôs aos Estados a aplicação das alíquotas previdenciárias definidas na legislação federal, a partir do mês de janeiro, para os militares ativos cuja contribuição anterior era superior a 9,5%, caso dos militares de Mato Grosso,

"Ressalvando-se, relativamente aos inativos e pensionistas que, 'se o resultado combinado da alteração da alíquota e da ampliação da base de cálculo resultar em aumento do valor final da contribuição devida, o valor anterior da contribuição continuará sendo devido até 16 de março de 2020'", mencionou a PGE.

"Além disso, o citado ato infralegal federal previu, em seu artigo 22, a imediata suspensão da eficácia de todas as regras previstas na legislação dos Estados sobre inatividade e pensões de militares que conflitem com as normas de que tratam os artigos 24-A a 24-E e 24-H a 24-J, acrescidos pela Lei Federal nº 13.954/2019 ao Decreto-Lei nº 667/69", continuou.

O Estado ainda disse que, considerando o iminente conflito entre a aplicação da legislação Estaduall e a Federal, caso mantenha a alíquota prevista na Lei Estadual, poderá receber severas sanções por parte da União, como "impedimento para celebrar acordos, contratos, convênios ou ajustes, bem como receber empréstimos, financiamentos, avais e subvenções em geral de órgãos ou entidades da Administração direta e indireta da União e a suspensão de empréstimos e financiamentos por instituições financeiras federais".

Em decorrência disso a PGE pediu que seja julgada procedente a ação para, confirmada a medida liminar, reconhecer incidentalmente a inconstitucionalidade de artigos da norma Federal, e que a União se abstenha de impor quaisquer sanções ao Estado de Mato Grosso.

5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • AVANÇA MT
    22 Mai 2020 às 08:26

    ESSES MILITARES DEVERIAM GANHAR POR PRODUTIVIDADE ASSIM COMO TODOS FUNCIONARIOS PUBLICOS DEVERIAM SER AVALIADOS E SUPERVISIONADOS O ENSINO PÚBLICO É UM EXEMPLO DE PÉSSIMOS SERVIÇOS

  • xavier
    21 Mai 2020 às 20:05

    qual o numero desse processo (ACO)?

  • PAGADOR DE IMPOSTOS SEM RETORNO
    21 Mai 2020 às 08:04

    ESSES MILITARES NOS CUSTAM BILHÕES E POUCO TRABALHAM ATÉ HOJE TEM FILHAS DE MILITARES RECEBENDO PENSÃO VITÁILICIA SEM NUNCA TRABALHAR, VIVEM MAIS DE 100 ANOS SO RECEBENDO QUE INJUSTIÇA NESSE PAÍS

  • Silveira-Sinop
    20 Mai 2020 às 12:22

    Cadê os deputados que foram eleitos pra defender a população, só uma meia dúzia que batem de frente com esse Governador ditador que só aprova o que ele quer e da forma que ele quer. Uma coisa eu afirmo no vestibular das urnas muitos serão reprovados.

  • Urso
    20 Mai 2020 às 11:26

    O troco virão nas urnas, pode aguardar.

Sitevip Internet