Olhar Jurídico

Quarta-feira, 26 de fevereiro de 2020

Notícias / Criminal

Juiz intima Ledur e militares para sessão em que tenente deve ser ouvida

Da Redação - Vinicius Mendes

14 Fev 2020 - 16:46

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Juiz intima Ledur e militares para sessão em que tenente deve ser ouvida
O juiz Marcos Faleiros da Silva, da 11ª Vara Criminal Especializada da Justiça Militar, intimou a tenente Izadora Ledur Souza Dechamps, além de três juízes militares titulares e dois suplentes, para comparecerem na sessão de instrução designada para o próximo dia 12 de março, na qual Ledur deve ser interrogada sobre a morte do aluno soldado Rodrigo Claro, torturado no treinamento dos Bombeiros na Lagoa Trevisan, em novembro de 2016. Além da tenente também deve ser ouvida uma testemunha, o tenente-coronel BM Danilo Cavalcante Coelho.
 
Leia mais:
Tenente bombeiro acusada por morte de aluno será interrogada em março de 2020
 

Várias sessões de Instrução sobre o caso foram adiadas algumas vezes. Apenas no ano passado as audiências foram reagendadas três vezes. Uma sessão que deveria ter ocorrido no último dia 16 de setembro, por exemplo, acabou sendo realizada no dia 4 de novembro.
 
Na audiência de novembro, no entanto, Ledur não foi interrogada. Foram ouvidas as testemunhas de defesa Dionísio José Bochese Andreoni e Janisley Teodoro Silva. O juiz Marcos Faleiros acabou marcando para o dia 12 de março de 2020 o interrogatório da tenente.
 
Em despacho desta última quinta-feira (13) o magistrado intimou a ré tenente Izadora Ledur Souza Dechamps e a testemunha tenente coronel BM Danilo Cavalcante Coelho. Também foram intimados os juízes militares titulares tenente-coronel PM Paulo Cesar Vieira de Melo Junior, major PM Ludmila Eickhoff Della Pasqua, tenente-coronel BM Neurivaldo Antônio de Souza, bem como os juízes militares suplentes tenente-coronel BM Abel Rocha da Silva e tenente-coronel PM Fabiano Pessoa.
 
O caso
 
Rodrigo Patrício Lima Claro, de 21 anos, ficou internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e faleceu por volta de 1h40 do dia 16 de novembro de 2016. Ele teria sido dispensado no final do treinamento do curso dos bombeiros, após reclamar de dores na cabeça e exaustão. O jovem teria passado por sessões de afogamento e agressões por parte da tenente Izadora ledur.
 
O Corpo de Bombeiros informou que já no Batalhão ele teria se queixado das dores e foi levado para a policlínica em frente à instituição. Ali, sofreu duas convulsões e foi encaminhado em estado crítico ao Jardim Cuiabá, onde permaneceu internado em coma, mas acabou falecendo.

4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • joana
    16 Fev 2020 às 13:06

    boas novas! a familia do rodrigo merece um fechamento de preferencia com a condenação da tenente

  • Weberson
    15 Fev 2020 às 12:17

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • José
    14 Fev 2020 às 18:44

    A Justiça Militar tem que condenar essa Tenente, inclusive com a perda do Cargo Púbico. Chega de impunidade neste Estado!

  • joana
    14 Fev 2020 às 17:47

    so espero que não haja mais nenhuma protelação. A familia do rapaz merece um fechamento. de preferencia com uma condenação

Sitevip Internet