Olhar Jurídico

Quarta-feira, 21 de agosto de 2019

Notícias / Criminal

Delator premiado é interrogado para detalhar esquema em licitações da Secretaria de Educação

Da Redação - Arthur Santos da Silva/ Da Reportagem Local - Vinicius Mendes

09 Ago 2019 - 09:26

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Delator premiado é interrogado para detalhar esquema em licitações da Secretaria de Educação
A juíza Ana Cristina Mendes, da Sétima Vara Criminal de Cuiabá, comanda nesta sexta-feira (9) audiência de instrução no processo proveniente da Operação Rêmora, por fraudes na Secretaria de Educação de Mato Grosso (Seduc). A oitiva do delator premiado Luiz Fernando da Costa Rondon está prevista.

Leia também 
Justiça adia interrogatório de delator sobre esquema fraudulento em licitações na Seduc


No caso, o Ministério Público de Mato Grosso (MPE) ofereceu denúncia em desfavor de Alan Malouf, Permínio Pinto Filho, Fábio Frigeri, Wander Luiz dos Reis e Giovani Belatto Guizardi. Os depoimentos dos réus estão previstos para ocorrer no dia 19 de agosto.

A Operação Rêmora investigou esquema de fraudes em obras de reforma e construção de escolas que inicialmente estavam orçadas em R$ 56 milhões. Diversas empresas compunham, segundo o Ministério Público, cartel capaz de gerar favorecimentos e desvio de dinheiro público.
 
Ricardo Augusto Sguarezi, delator e dono da Construtora Aroeira, já foi ouvido pelo juízo. Entre as informações prestadas está a acusação de que cobrança de propina era realizada de forma “ríspida” e “contundente”. Sguarezi também afirmou que  foram necessários apenas três meses de governo Pedro Taques (PSDB) para início de cobrança de propina sobre obras na Secretaria de Educação.

O também empresário e delator premiado na Operação Rêmora, Giovani Belatto Guizardi,  acusou que o ex-deputado estadual Guilherme Maluf recebeu dinheiro de propina no banheiro do Buffet Leila Malouf.
 
Giovani Belatto ainda afirmou que o ex-secretário de Educação de Mato Grosso, Permínio Pinto, recebeu propina paga em espécie em vários locais diferentes.
 
Falta
 
O promotor Jaime Romaquelli, membro do MPE, afirmou no dia primeiro de agosto que a postura do colaborador premiado Luiz Fernando da Costa Rondon não está ocorrendo de forma adequada.
 
Afirmação ocorreu porque o delator jpa faltou duas audiências marcadas para seu interrogatório. Na última ocasião, a advogada do colaborador apresentou declaração de um padre afirmando que seu cliente estava em um retiro na cidade de Nova Olímpia.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet