Olhar Jurídico

Quarta-feira, 18 de setembro de 2019

Notícias / Geral

Procurador é contra decreto de armamento, mas não teme aumento de violência em fóruns

Da Redação - Vinicius Mendes

26 Mai 2019 - 15:15

Foto: Olhar Direto

Procurador é contra decreto de armamento, mas não teme aumento de violência em fóruns
O procurador Domingos Sávio De Barros Arruda, coordenador do Núcleo de Ações de Competência Originária Crimina (Naco Criminal), ligado ao Ministério Público de Mato Grosso (MPMT), afirmou ser contra o decreto que flexibiliza o porte de armas. Ele avalia que o porte em si não aumenta a segurança. No entanto, com relação a atentados em fóruns e sedes de MP, ele disse não acreditar que o decreto terá algum impacto.
 
Leia mais:
Advogados, agentes de trânsito e caminhoneiros poderão andar armados com novo decreto de Bolsonaro
 
Decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) amplia a quantidade de categorias e pessoas que terão direito ao porte de armas no país. O procurador Domingos Sávio disse ser contra o decreto. Ele avalia que o porte de arma traz uma “falsa ideia” de segurança ao portador. O procurador considerou que, em muitos casos nos quais a arma seria utilizada, a vítima é sempre surpreendida, tendo pouco tempo de reação, além do fato de que possivelmente não terá muita experiência em utilizar arma de fogo.
 
“Nenhum bandido vai chegar em alguém e dizer ‘prepare-se que eu vou te assaltar’, para que a pessoa tenha tempo de sacar sua arma e reagir. As pessoas são pegas de surpresa, de modo que, se não forem pessoas profissionais da segurança publica, ou que tenha grande habilidade com arma, esta arma na cintura não significará nada em termos de segurança, ao contrário, este derrame de armas nas cidades vai fazer a festa dos bandidos, que irão atrás destas armas, vão tirá-las das pessoas, aí a violência vai se multiplicar”.
 
Além disso, o procurador também considerou a possibilidade das pessoas utilizaram as armas em situações que não estariam em risco, como em brigas de trânsito ou discussões com vizinho, fazendo assim com que haja um aumento na violência.
 
No ano passado juízes e advogados sofreram ataques em fóruns no Estado. Em decorrência disso o Tribunal de Justiça de Mato Grosso e o MPMT começaram a adotar medidas para aumentar a segurança nestes ambientes. Mesmo com a possibilidade de mais advogados andarem armados, ou mesmo pessoas de outras categorias com armas que frequentem os fóruns, o procurador disse que não acredita que o aumento do número de armas colocará em risco os ambientes do Judiciário.
 
“Eu acho que isso não vai refletir, necessariamente. Não vai aumentar risco. O que nós temos que fazer, e já estamos fazendo, é melhorar a segurança dos fóruns e das sedes das promotorias, mas isso não é por conta do armamento, desta política do Governo Federal, é uma questão que é preciso se fazer mesmo, porque os acontecimentos aí já revelam esta necessidade”, disse Domingos Sávio.
 

6 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Prof. Orlando
    27 Mai 2019 às 08:36

    Não entendo como um procurador faz um interpretação desta. A arma e o porte, embora flexibilize o direito, continuará a exigências de uma série de requisitos para conseguir essa licença. Agora, uma lei palhaçada dessa q se vc for pego com cápsulas deflagrada responde processo aí não dá... Acho cidadão precisa defender mas não com pedras, paus, canivetes, etc. Agora também não se deve permitir que alcoólatra, usuário de drogas, loucos, com passagem é com processo, tenha esse direito.

  • marcos
    27 Mai 2019 às 07:33

    Para um homem quem tem Porte de Arma,tem vários seguranças fazendo escolta 24 horas,fica muito fácil dar opinião contrario ao decreto né,enquanto nós população de bem temos carros e motos roubados,casas assaltadas,armas mirada para nossa cabeça constantemente,temos que aceitar a opinião do promotor,só porque ele é autoridade.

  • A Verdade Sufocada
    26 Mai 2019 às 22:26

    Pq então ele não larga os benefícios que estar armado da a ele, os procuradores e promotores tem seguranças que são policiais buscam e levam em casa esses estando armados, eles possuem o porte por ser uma prerrogativa da função, pq ele não abandona e aí sim ele pode ser contrário, se não num passa de um grande HIPÓCRITA

  • Mulher ma
    26 Mai 2019 às 17:19

    Se no brasil tivesse leis que tivesse prisao perpetua. Pra crimes hediondos e corrupcao Nao precisariamos chegar a esse extremo. Entao procurador nao reclame se um bandido tiver armado eo senhor sem meio de se defender. Temos que porte de arma legalizado sim!! Enquanto vcs jogam flores pra criminosos E matam a bala o trabalhador pra tirar seus bens.

  • Gilston
    26 Mai 2019 às 16:40

    Eu sou contra ja que cada cidadão vai poder ter até 4 armas em casa. Geralmente uma casa contem em média 3 pessoas, marido, esposa e filhos, ai ja são 12 arma só em uma casa. Por mais que seja só uma arma em casa, o bandidos vai arrombar a casa e roubaras armas já que o morador não pode portar no carro nem na cintura pra levar ao trabalho. O estado é quem tem que dar segurança e não o próprio cidadão que vai ter que por um guarda na frente da sua casa para não ser furtada ou roubada.

  • Raimundo
    26 Mai 2019 às 15:32

    Quem é esse cara na fila do pão?

Sitevip Internet