Olhar Jurídico

Quinta-feira, 18 de julho de 2024

Notícias | Criminal

8ª VARA CRIMINAL

Advogado acusado de se passar por guia espiritual para abusar de mulheres é mantido preso

Foto: Reprodução

Advogado acusado de se passar por guia espiritual para abusar de mulheres é mantido preso
O advogado Luiz Antônio Rodrigues da Silva, de 49 anos, acusado de se passar por guia espiritual para abusar de mulheres em Cuiabá, foi mantido preso após passar por audiência nesta terça-feira (7), na 8ª Vara Criminal de Cuiabá. Como o magistrado que presidiu a sessão não analisou pedido de revogação da prisão, ele continuou detido.


Leia mais: 
STJ mantém prisão de advogado que se passava por guia espiritual para abusar de mulheres em Cuiabá


Luiz foi preso alvo de inquérito policial instaurado para investigar suposta prática dos crimes de ameaça, importunação sexual e estupro contra, em tese, mais de 13 mulheres. As vítimas procuraram a polícia para relatar que o advogado se passava por sacerdote na “Casa de Umbanda Caboclo 7 Estrelas” e, durante as sessões espirituais, teria cometido os abusos.

Advogada de quatro das vítimas, Karime Dogam disse ao Olhar Jurídico que aguarda celeridade na prolação de uma sentença que possa garantir a manutenção da prisão do acusado.

“Não dando qualquer brecha para uma liberdade do réu, pois acreditamos na condenação do réu, é de suma importância que sua condenação seja cumprida em regime fechado”, completou.


Considerando a gravidade do caso, a Justiça expediu mandado de prisão preventiva contra ele, sendo executada sua detenção em setembro de 2023. No mesmo mês, após audiência, ele foi colocado em liberdade provisória mediante o cumprimento de medidas cautelares.

Ocorre que entre o cumprimento do mandado de prisão e a audiência de custódia, outras vítimas procuraram a delegacia especializada de defesa da mulher para relatar outros casos de abuso.

Constou ainda nos autos que, após a liberdade provisória, Luiz teria postado em suas redes sociais conteúdo afirmando o que havia passado e que retornaria com os trabalhos religiosos.

A autoridade policial, diante da divulgação das mensagens em suas redes sociais, entrou em alerta e representou por novo decreto de prisão contra Luiz, entendendo que o vídeo comunicando a retomada  configurou ato de intimidação às vítimas, uma vez que as mesmas já estavam fragilizadas em razão dos possíveis abusos que sofreram.

Além disso, citou a polícia que as mulheres pararam de procurar a delegacia especializada após a divulgação do material, com medo de represálias por parte de Luiz, demonstrando que sua liberdade colocaria em risco o regular decorrer da instrução probatória.

Com isso, ele foi novamente preso preventivamente sob a consideração de que sua liberdade colocaria em risco o bom andamento do processo, além de resguardar a ordem pública e a integridade das mulheres.
Luiz vem acumulando derrotas tanto no âmbito da Justiça Estadual como nacional. Em março, ele apelou no STJ visando sair do cárcere, mas teve pedido negado por decisão do ministro Reynaldo Soares da Fonseca proferida no dia 8 daquele mês.

Na nova liminar, que também requereu aplicação da prisão domiciliar para Luiz, Reynaldo não verificou a presença dos requisitos necessários para conceder o pedido. “Finalmente, em relação ao pleito de prisão domiciliar, observo que o mesmo não foi enfrentado pelo acórdão ora atacado, o que inviabiliza o exame da matéria diretamente por esta Corte, sob pena de configurar-se indevida supressão de instância”, proferiu.

Além disso, Reynaldo citou que as alegações defensivas de que o réu é primário, possui profissão, endereço e residência fixa, não interferem na imposição da segregação cautelar, conforme entendimento fixado pelo STF.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet