Olhar Jurídico

Quinta-feira, 18 de julho de 2024

Notícias | Criminal

VERSÃO CONTESTADA PELO MP

Filho de fazendeira que assassinou dois, médico alega que não sabia que mãe tinha intenção de matar

Foto: Reprodução

Filho de fazendeira que assassinou dois, médico alega que não sabia que mãe tinha intenção de matar
Filho da fazendeira Inês Gemilaki, autora dos disparos que ceifaram a vida de dois idosos, o médico Bruno Gemilaki alegou à Justiça que não sabia que sua mãe tinha intensão de matar. No dia 21 de abril, Inês e Bruno invadiram uma casa em Peixoto de Azevedo em busca do garimpeiro Enerci Afonso Lavall, e ela acabou matando Pilso Pereira da Cruz, 69 anos, e Rui Luiz Bogo, 81. Lavall foi atingido, mas sobreviveu. O padre José Roberto Domingos também foi alvejado, mas se safou. No entanto, o promotor de Justiça Álvaro Padilha de Oliveira, que os denunciou, contestou a versão de Bruno.


Leia mais: 
Mãe e filho filmados matando idosos a tiros em casa são denunciados; MP pede indenização de R$ 1,8 milhão

Naquele dia, Bruno e Inês invadiram a casa particular de Erneci Afonso Lavall, alvo da fazendeira, localizada na rua Thiago Magalhães Nunes, nº 1403, bairro Alvorada. Imagens das câmeras de segurança da residência constataram que o filho acompanhou e deu suporte à sua mãe durante toda empreitada, portando uma espingarda calibre 12.

Embora tenha alegado não saber que Inês tinha intenção homicida, ele a acompanhou em todo momento e, em posse da arma longa, efetuou pelo menos quatro disparos. As marcas dos tiros foram localizadas pela Polícia na residência.

A constatação de que Bruno efetuou os tiros permitiu o promotor concluir, ao aditar a denúncia, que ele deverá responder pelos resultados da empreitada criminosa encabeçada pela sua mãe, na medida de sua respectiva colaboração.

O mesmo vale para Éder Gonçalves Rodrigues. Ele foi quem dirigiu o veículo e também apareceu com arma curta em punho, colaborando para o êxito das execuções.

“Embora Éder não tenha efetuado nenhum disparo no local onde as vítimas estavam, ou seja, nos fundos da residência, é possível ver o suporte que deu a toda a situação, seja dirigindo o veículo (Camionete), seja fazendo uma espécie de retaguarda para Inês e Bruno, motivo pelo qual os três réus deverão responder pelos resultados obtidos”, anotou Álvaro, em nova manifestação acostada nos autos nesta quinta-feira (8).

O trio foi denunciado por homicídio, com a qualificadora do motivo fútil e recurso que dificultou a defesa das vítimas. Bruno está preso no Centro de Detenção Provisória de Peixoto, junto com Éder. Inês segue presa no Centro de Detenção Provisória de Colíder.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet