Olhar Jurídico

Quinta-feira, 02 de julho de 2020

Notícias / Civil

Pai aponta risco de contágio, mas Justiça garante à mãe guarda compartilhada de crianças

Da Redação - Vinicius Mendes

26 Jun 2020 - 11:13

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Pai aponta risco de contágio, mas Justiça garante à mãe guarda compartilhada de crianças
Uma mãe teve o direito garantido de poder conviver com seus filhos. A guarda compartilhada foi mantida após a Quarta Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, em decisão unânime, dar provimento ao recurso interposto pela mãe das crianças.
 
Na ação inicial, o pai alegou o perigo de contágio pelo novo coronavírus por sua ex-companheira trabalhar em um hospital na Capital e por isso ingressou com ação na 5ª Vara Especializada de Família e Sucessões de Cuiabá solicitando a modificação provisória de guarda.

Leia mais:
Prefeito aguarda decisão do presidente do TJ sobre novo recurso contra 'lockdown'
 
Consta nos autos que no hospital, a agravante trabalha no setor responsável pela limpeza, esterilização e desinfecção dos produtos e instrumentos utilizados por médicos, sem contato com nenhum paciente, o que ficou comprovado no processo. Além disso, a instituição de saúde em questão não oferece pronto atendimento, somente regulação por meio de agendamento no Sistema único de Saúde (SUS), e não é destinado a pacientes com Covid-19.
 
Para o relator do processo, desembargador Rubens de Oliveira Santos Filho, por mais que a pandemia da Covid-19 seja extremamente preocupante, não autoriza a alteração da modalidade de guarda compartilhada acordada judicialmente pelas partes sob a justificativa de que a profissão da agravante oferece risco.
 
“Logo, nesta fase de cognição sumária não se vê elemento algum que legitime privar os filhos da convivência com a mãe durante todo o período da pandemia, até porque não há data prevista e muito menos definida para que acabe, e nem sequer foi demonstrada a possibilidade de ela contrair e disseminar o vírus em virtude da função que exerce. Interpretar o caso de forma diferente seria impedir o exercício do direito de guarda de todos os profissionais da área da saúde”, afirma o desembargador-relator.
 
Em seu voto, o magistrado diz que “a permanência das crianças por tempo indefinido com apenas um dos pais fere os princípios da corresponsabilidade e da proteção integral e pode trazer consequências danosas para sua segurança e desenvolvimento, já que gera angústia, dor e sofrimento. A ausência física tem reflexos psicológicos muitas vezes irreversíveis e pode até mesmo, dependendo da idade, ser interpretada como se tratasse de morte.”
 
Por fim, o desembargador diz não existem razões para alteração do regime de guarda dos filhos, também porque “não há evidências de que a agravante tenha sido negligente com a saúde e bem-estar das crianças, ou descumprido as medidas sanitárias recomendadas pelas autoridades competentes.”

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Fernando
    26 Jun 2020 às 12:03

    Se invertessem os papéis com certeza a decisão judicial seria outra.

Sitevip Internet