Olhar Jurídico

Terça-feira, 07 de abril de 2020

Notícias / Civil

Proprietário de imóvel acusa inadimplência, mas juiz nega despejo de ONG de Mauro Savi

Da Redação - Vinicius Mendes

26 Mar 2020 - 11:25

Foto: Rogério Florentino Pereira/OD

Proprietário de imóvel acusa inadimplência, mas juiz nega despejo de ONG de Mauro Savi
O juiz Jorge Alexandre Martins Ferreira, da 3ª Vara Cível de Cuiabá, negou um pedido de despejo feito pelo proprietário de um imóvel que foi alugado pela Casa de Apoio "Tio Mauro", mantida pelo ex-deputado Mauro Savi, alegando inadimplência. O magistrado justificou que ainda vigora a garantia contratual de fiança.

Leia mais:
Juiz determina que Abílio comprove renda após pedir Justiça gratuita em ação que busca retorno à Câmara

O proprietário do imóvel entrou com uma ação de despejo com cobranças de aluguel e acessórios de locação, com pedido de tutela de urgência antecipada, contra a Organização Não Governamental (ONG) sem fins lucrativos "Vale do Teles Pires – Casa do Tio Mauro" e seu fiador Mauro Savi, alegando que o locador está inadimplente.

Segundo o proprietário, o contrato de locação de imóvel não residencial foi firmado pelo prazo 72 meses, com início em 7 de novembro de 2013, e com fim previsto para 6 de novembro de 2019, pelo valor mensal de R$ 1,8 mil, sendo reajustado para R$ 2 mil em dezembro de 2014.

Ele sustentou que a garantia locatícia é a fiança dada por Mauro Savi e argumentou que o imóvel não foi desocupado no prazo estipulado, não apresentou provas de que realizou os projetos de reforma apresentados pelo locatário, não pagou IPTU e nem as faturas de água. Ele busca o despejo do imóvel.

O magistrado analisou o pedido e argumentou que, de acordo com os dispositivos da Lei nº 8.245/1991 (Lei de locações), mais precisamente o artigo 37, não foi verificada a possibilidade de despejo neste caso, em decorrência da garantia de fiança.

"Note-se que, firmado o contrato em 07/11/2013 com prazo de duração de 72 meses, com clausula pertinente à fiança, ao que tudo indica, o então fiador Mauro Luiz Savi não solicitou a exoneração da garantia prestada, o que faz presumir a sua anuência. Se é assim, vigorando validamente a garantia contratual (fiança) prestada por Mauro Luiz Savi resta inviabilizada a desocupação compulsória do imóvel", explicou.

Em decorrência disso, por entender que a relação locatícia está garantida por fiança, o magistrado indeferiu o pedido de desocupação feito pelo proprietário do imóvel.

5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • PALHARES
    26 Mar 2020 às 18:12

    E O PILANTRA SEGUE CAUSANDO MAIS PREJUÍZOS A TERCEIROS!!!

  • José
    26 Mar 2020 às 17:45

    Casa de apoio Tio Mauro!!!!! KKKKKKKKKKKKKKKK

  • Jose
    26 Mar 2020 às 14:08

    Rapaz esta Nhaca ainda esta solto..Este e o Riva são os caras que quebraram o Estado Mt

  • nelson
    26 Mar 2020 às 13:15

    O imovel foi locado pela Ong Tio Mauro, e não pagou, o Mauro é o fiador e não pagou, o porque não pode despejar

  • Hélio
    26 Mar 2020 às 12:40

    Gente do céu, onde esse homem passa ele larga um rastro de contas a pagar, e pior, sempre sobrando aos avalistas, eita caboclinho ruim de PAGAR as pessoas, por isso perdeu eleição, ESTAMOS LIMPANDO OS SUJOS POLÍTICOS

Sitevip Internet