Olhar Jurídico

Segunda-feira, 23 de setembro de 2019

Notícias / Civil

Promotor investiga deterioração de cabines de audiometria após obras no Cridac

Da Redação - Vinicius Mendes

06 Set 2019 - 11:01

Foto: Ahmad Jarrah

Promotor investiga deterioração de cabines de audiometria após obras no Cridac
O promotor Clóvis de Almeida Junior, da 36ª Promotoria de Justiça Cível de Cuiabá, instaurou um inquérito civil público para apurar possível ato de improbidade administrativa com relação a uma denúncia de deterioração de cabines de audiometria na antiga sede do Centro de Reabilitação Dom Aquino Corrêa (CRIDAC).
 
Leia mais:
MP apura ocupação de terreno do Estado por loja maçônica após anulação de doação
 
A portaria foi assinada no último dia 30 de agosto. O promotor Clóvis de Almeida Junior cita que é função do Ministério Público instaurar inquérito para a anulação ou declaração de nulidade de atos lesivos ao patrimônio público
 
Ele decidiu instaurar este inquérito para apurar possível ocorrência de atos de improbidade administrativa, conforme situação relatada em um relatório de estudo social, consistente na deterioração de cabines de audiometria, em razão da cessação das obras de retirada de telhado da antiga sede do Cridac.
 
Segundo a denúncia a empresa contratada teria feito a cobertura apenas utilizando lonas, deixando as cabines ao relento. A conclusão do inquérito deve acontecer em até um ano.

Outro lado

NOTA DE ESCLARECIMENTO CRIDAC

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) informa que o fato alvo de inquérito do Ministério Público ocorreu em 2017, quando a empresa Protege, por meio de um contrato firmado com a SES-MT em 2016, retirou o telhado do antigo prédio do Centro de Reabilitação Dom Aquino Corrêa (Cridac) sem a recolocação do mesmo.

No dia 14 de dezembro de 2017, o órgão estadual encerrou o contrato. Ao tomar conhecimento da situação, a atual gestão da SES-MT, por meio da Superintendência de Obras, Reformas e Manutenções, iniciou as buscas para compreender o que levou a não recolocação do telhado no prédio e as possíveis sansões sofridas pela empresa.

 

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • SERVIDOR DA SES
    06 Set 2019 às 14:49

    É SÓ O MINISTÉRIO PÚBLICO PERGUNTAR PARA OS MESMOS SERVIDORES DA SES QUE FAZEM PARTE DA SUPERINTENDÊNCIA DE OBRAS E REFORMAS, COORDENADORIA DE APOIO LOGÍSTICO E SECRETÁRIA ADJUNTA DA PASTA QUE PRATICAMENTE SÃO O MESMO O QUE ACONTECEU COM ESSA OBRA COMO TAMBÉM A OBRA ONDE FICA O SAMU QUE NÃO TERMINARAM E TODO MUNDO FAZ DE CONTAS QUE NÃO SABE DE NADA

Sitevip Internet