Olhar Jurídico

Sexta-feira, 21 de junho de 2024

Notícias | Financeiro

CONTRATOS

TCE-MT constata superfaturamento de R$ 849 mil na Secretaria de Saúde e entrega documentos ao MPE

Foto: Reprodução

TCE-MT constata superfaturamento de R$ 849 mil na Secretaria de Saúde e entrega documentos ao MPE
O Pleno do Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE-MT) julgou como parcialmente procedente denúncia formulada em desfavor da Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso (SES-MT), apontando irregularidades em procedimentos licitatórios nas dispensas 10/2013 e 13/2003, com aquisições de produtos farmacêuticos e prejuízo ao erário. Em seu voto, a relatora, conselheira interina, Jaqueline Jacobsen, também multou ex-gestores, determinando-lhes restituição ao erário, no montante de R$ 849.058,12, em decorrência de superfaturamento. A remessa foi enviada ao Ministério Público Estadual para conhecimento e providências cabíveis.


Leia mais:
Conselho Federal nega pedido de Campos e autoriza candidatura de Esgaib na chapa liderada por Moreno

Constatou-se, da análise dos autos, que nos procedimentos de dispensa de licitação, não foram especificadas as marcas de medicamentos, o que vai de encontro ao que determina a lei por “prejudicar a liquidação da despesa e a verificação de possível fraude, haja vista a impossibilidade de certificar a regularidade dos medicamentos entregues pela empresa”. O superfaturamento foi apurado pela equipe técnica, através da comparação entre os valores praticados nas dispensas e o Banco de Preços em Saúde, do Ministério da Saúde.

Em seu voto, a conselheira interina condenou os responsáveis a restituírem o erário com o montante. Foram penalizados: o ex-superintendente adjunto da SES e então presidente da Comissão Permanente de Licitação da SES, Afrânio Motta; a ex-secretária, Luzia das Graças Prado Leão; a empresa Milênio Produtos Hospitalares Ltda.; o ex-membro da Comissão Permanente de Licitação, Fernando Augusto Leite de Oliveira; ex-secretário Adjunto de Gestão Administrativa e Financeira e ordenador de Despesa, Jackson Fernando de Oliveira; e a empresa MEDCOMMERCE – Comercial de Medicamentos e Produtos Hospitalares Ltda.

Luzia das Graças Prado Leão, Fernando Augusto Leite de Oliveira e Jackson Fernando de Oliveira, também foram multados em 1000 UPF cada, em razão das irregularidades no recebimento de medicamentos, sem identificação da marca que havia sido cotada. Outrossim, foi penalizado Afrânio Motta em 290,65 UPF; e as empresas Milênio Produtos Hospitalares Ltda e MEDCOMMERCE, respectivamente, em 919,31 UPF e 447,99 UPF.

Determinou-se a inidoneidade de ambas as entidades, que não poderão ser contratadas pelo poder público pelos próximos cinco anos. 
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet