Olhar Jurídico

Segunda-feira, 20 de maio de 2024

Notícias | Política de Classe

Vox Populi

Defesa de Taques afirma que Justiça Eleitoral foi induzida ao erro e quer poder voltar a divulgar pesquisa

Foto: Assessoria

Defesa de Taques afirma que Justiça Eleitoral foi induzida ao erro e quer poder voltar a divulgar pesquisa
A banca de defesa do candidato ao Governo de Mato Grosso pela coligação “Coragem e Atitude Para Mudar”, senador Pedro Taques (PDT), afirma que a juíza eleitoral Ana Cristina Mendes foi induzida ao erro pela coligação governista “Amor a Nossa Gente”, encabeçada por Lúdio Cabral, e só por isso a pesquisa eleitoral da Vox Populli, na qual o pedetista aparece com ampla vantagem, teve sua divulgação suspensa.


Justiça Eleitoral manda investigar pesquisa Vox Populi, retira do ar e manda apreender de planfletos de Taques
Dono do Diário de Cuiabá nega ‘vazamento’ de pesquisa e avalia que juíza do TRE foi induzida ao erro

De acordo a coligação “Amor a Nossa Gente”, a pesquisa era ilegal por não respeitar os critérios de proporcionalidade eleitoral devido ao número de pessoas entrevistadas: 400 na Capital e 600 no interior, enquanto só 18% do eleitorado está em Cuiabá e todo o resto espalhado por Mato Grosso.

Contudo, a defesa de Taques protocolizada na tarde desta quinta-feira (24), explicou que foi utilizado o fator de ponderação conferido pelo próprio TRE para equalizar os números, fato omitido pela acusação. “Induziram a juíza ao erro. Se nós advogados estamos corridos, imagina os magistrados. Omitiram o fator de ponderação e por isso a juíza suspendeu a divulgação da pesquisa”, explicou o advogado Gilmar Gonçalves Rosa.

O jurista explicou que as 400 pessoas entrevistadas pelo instituto Vox Populli tiveram o peso de 18%, enquanto os 600 do interior de 82%. Para isso, é utilizado um valor multiplicador, chamado de fator de ponderação. No caso dos pesquisados em Cuiabá, o fator – o peso que cada um teve no resultado final – foi de 0,45922184. Já no interior foi de 1,36052816.

“Não sei o motivo de dúvida desse valor. O índice é fico, determinado pelo próprio TRE. Por isso, a pesquisa é legal. Temos convicção de que cassaremos a liminar e poderemos voltar a divulgar os números”, explicou o advogado, em entrevista ao Olhar Direto. “Se a pesquisa fosse ilegal, nem teria sido registrada no TRE. O sistema teria apontado o erro. Mas ela está lá, registrada, sem nenhum erro, cumprindo todos os requisitos”, completou.

Ele ainda salientou o fato de a pesquisa ter sido contratada pelo jornal Diário de Cuiabá, não Pedro Taques.



Local de Pesquisa Pessoas entrevistadas Peso Fator de Ponderação
Capital 400 18% 0,45922184
Interior 600 82% 1,36052816


Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet