Olhar Jurídico

Sábado, 22 de junho de 2024

Notícias | Criminal

monitoramento eletrônico

Juiz pede informações para saber se ex-secretário réu por tráfico internacional tem cumprido cautelares

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Juiz pede informações para saber se ex-secretário réu por tráfico internacional tem cumprido cautelares
Juiz Fábio Moreira da Silva, da 2ª Vara Federal Criminal de Salvador, pediu informações para saber se o ex-secretário de Estado, Nilton Borges Borgato, está cumprindo medidas cautelares em ação em que é acusado de tráfico internacional.


Leia também 
Justiça Federal nega reconsiderar recebimento de denúncia contra ex-secretário suspeito de tráfico internacional

 
“Expeça-se ofício à 7ª Vara Federal Criminal da SJMT, solicitando informações acerca do cumprimento das medidas cautelares impostas a Nilton Borges Borgato”, requereu o magistrado na quinta-feira (2).
 
No começo do ano, Borgato teve prisão domiciliar substituída por: monitoramento eletrônico; comparecimento quinzenal do investigado ao Juízo Federal da localidade de residência; proibição de ausentar-se da comarca em que reside até a conclusão da ação penal; recolhimento domiciliar no período noturno; proibição de manter contato com os demais denunciados.
 
Operação

 
Operação Descobrimento, contra o tráfico internacional de drogas, foi deflagrada em 2022. A PF cumpriu 52 mandados de prisão preventiva e busca e apreensão na Bahia, em São Paulo, Mato Grosso e, ainda, nas cidades de Lisboa e Braga, em Portugal. As investigações, que contaram com o apoio do Ministério Público Federal (MPF), tiveram início em 9 de fevereiro de 2021, no aeroporto de Salvador (BA), e resultaram na apreensão de 600 quilos de cocaína. Armazenada na fuselagem de um jato executivo Falcon 900B, a droga seria enviada para Portugal.
 
Durante as investigações, a PF identificou diversos núcleos operacionais envolvidos com o tráfico internacional de drogas. Desde proprietários dos entorpecentes, mecânicos de aviação, auxiliares responsáveis pelo armazenamento do entorpecente na aeronave, passando por transportadores responsáveis pelo voo e até doleiros. Segundo a Polícia Federal, alguns dos investigados também fazem parte da organização criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC).
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet