Olhar Jurídico

Sábado, 22 de junho de 2024

Notícias | Criminal

continua detida

Esposa de WT insiste em tentar prisão domiciliar e pede reconsideração de negativa no STJ

Foto: Reprodução

Esposa de WT insiste em tentar prisão domiciliar e pede reconsideração de negativa no STJ
A presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministra Maria Thereza de Assis Moura, encaminhou pedido de reconsideração feito pela esteticista Cristiane Patrícia Rosa Prins, esposa de Paulo Witer Farias Paelo, o WT, ao relator da 5ª Turma, Ribeiro Dantas. A defesa da investigada busca a reavaliação de habeas corpus negado no início da semana, ajuizado com a pretensão de que fosse colocada em prisão domiciliar.


Leia mais
Ministra destaca papel de líder em 'gabinete do crime' e nega liberdade a delegado suspeito de assessorar bandidos

 No habeas corpus, ela argumentou que é mãe e que a criança depende de seus cuidados. A ministra, no entanto, não atendeu ao pedido e, requerida a reconsideração, Maria Thereza redistribuiu ao relator.

Cristiane foi presa na Operação Apito Final, suspeita de fazer parte de uma organização criminosa destinada a lavar dinheiro da facção Comando Vermelho (CVMT). Investigações da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO) apontam que a esteticista adquiriu dois apartamentos no Edifício Arthur, no bairro Duque de Caxias II – região nobre de Cuiabá – com dinheiro oriundo da lavagem de capitais do grupo criminoso.
 
A defesa dela ingressou com um pedido no STJ para substituir a prisão preventiva por domiciliar. O habeas corpus alegava que a investigada é mãe de uma criança que depende de seus cuidados. A defesa argumentou ainda que Cristiane não desempenha nenhum papel na organização criminosa em questão.
 
Entretanto, a ministra negou a pretensão da defesa, alegando que a matéria ainda não foi apreciada pelo Tribunal de Justiça (TJMT), que não julgou o mérito do pedido inicial.
 
A presidente do STJ fundamentou sua decisão no enunciado 691 da Súmula do Supremo Tribunal Federal (STF), que determina que não compete ao STF conhecer de habeas corpus contra decisão do relator que indefere a liminar em habeas corpus requerido a Tribunal Superior.
 
A ministra destacou também que, em uma análise preliminar, não há evidências de teratologia nas decisões de origem que justifiquem a exceção à aplicação da Súmula 691. Além disso, ressaltou que a participação da acusada em uma organização criminosa, ainda que em tese, pode afastar a concessão do benefício da prisão domiciliar.
 
Nesta quarta-feira (24), então, o pedido de reconsideração foi encaminhado ao gabinete de Ribeiro Dantas, que deverá examinar o mérito do pedido.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet