Olhar Jurídico

Sexta-feira, 21 de junho de 2024

Notícias | Criminal

crime no interior

MP pede quebra de sigilo telefônico contra suspeito de participação em duplo homicídio

Foto: Reprodução

MP pede quebra de sigilo telefônico contra suspeito de participação em duplo homicídio
Ministério Público de Mato Grosso (MPE) pediu quebra de sigilo telefônico em face de Eder Goncalves Rodrigues, suposto participante de duplo homicídio contra idosos no último domingo, em Peixoto de Azevedo. O suspeito deve passar por audiência de custódia ainda nesta quarta-feira (24). 


Leia também 
Juiz mantém prisão de três membros do CV detidos em megaoperação contra o tráfico em MT

 
O caso envolve pessoas identificadas como Inês Gemilaki e seu filho Bruno Gemilaki, além de Márcio Ferreira Gonçalves (marido de Inês e padrasto de Bruno).
 
O duplo homicídio que vitimou Pilson Pereira da Silva, de 80 anos, Rui Luiz Bolgo, de 68 anos, ocorreu durante um almoço, em uma residência no bairro Alvorada, em Peixoto de Azevedo.

Na ocasião, três pessoas armadas (Inês, Bruno e Eder) invadiram confraternização e efetuaram vários disparos de arma de fogo, atingido três vítimas, sendo que duas delas não resistiram aos ferimentos e foram a óbito no local. A terceira vítima, padre da cidade, foi socorrida e conseguiu sobreviver aos ferimentos

As investigações apontam que o crime na verdade tinha como alvo o dono da residência onde ocorria a confraternização, que teria feito ameaças públicas contra os investigados, em razão de um processo referente a um contrato de aluguel.
 
Ao pedir a quebra de sigilo, Ministério Público alertou que “resta configurado o fumus boni iuris, pois, notadamente quando os dados a serem colhidos com a quebra de sigilo do terminal telefônico (imagens, vídeos, mensagens de texto e de Whatsapp) apreendido com Eder Goncalves Rodrigues é imprescindível para reunir ainda mais provas acerca da comissão do delito ou mesmo comprovar a inocência do referido representado. De igual forma, resta presente o periculum in mora, tendo em vista que outras medidas são ineficazes para apurar o crime em questão, eis que boa parte deles são cometidos às ocultas, longe dos olhos de eventuais testemunhas”.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet