Olhar Jurídico

Terça-feira, 21 de maio de 2024

Notícias | Civil

FIM DA INTERVENÇÃO

Prefeitura quer embargar acordo que prevê pagamento de insalubridade aos servidores da Saúde; MP e Estado são contra

Foto: Reprodução

Prefeitura quer embargar acordo que prevê pagamento de insalubridade aos servidores da Saúde; MP e Estado são contra
A prefeitura de Cuiabá está tentando embargar a decisão do Tribunal de Justiça que prorrogou, no último dia 4, o termo que prevê a regularização do pagamento de adicional de insalubridade aos servidores da Saúde da capital, em até 180 dias. O Ministério Público e o Estado de Mato Grosso se manifestaram contrários à pretensão municipal.


Leia mais: 
Delegado chama latrocida de covarde por matar três motoristas e requer prisão preventiva


Em dezembro do ano passado, após o término da intervenção, foi celebrado o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) entre o Ministério Público Estadual, o Tribunal de Contas do Estado e o Município de Cuiabá, cujo objetivo era manter a melhoria dos serviços públicos de saúde da capital que foram alavancados pela medida interventiva.

O objetivo era que a administração direta e indireta da área, no caso Empresa Cuiabana de Saúde Pública, fosse incluída na celebração para priorizar e observar os eixos estratégicos e as medidas elencadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT), bem como as ações implementadas e os documentos confeccionados pelo Gabinete de Intervenção, para manter as melhorias alcançadas.

No último dia 4 de abril, o órgão especial do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) homologou a prorrogação do Termo por 90 dias, por decisão do desembargador Luiz Ferreira da Silva. Com a homologação, o pagamento da insalubridade deveria ser realizado dentro de 180 dias a partir do dia 1º de março. Ou seja, o ente municipal teria seis meses para regularizar o adicional insalubridade aos seus servidores a contar daquela data.

Ocorre que o ente municipal está tentando embargar tal prorrogação para regularizar o pagamento, alegando omissão em relação à suposta ausência de intimação da Procuradoria-Geral do Município para se manifestar previamente sobre o TAC firmado.

Sustentou que a homologação foi omissa pois suprimiu o poder municipal e sua capacidade de auto-organnização, autogoverno e autoadministração ao conceder ao gabinete interventivo a atribuição para participar da celebração do acordo. Conforme a procuradoria da capital, a interventora não teria legitimidade para representar o ente municipal no TAC.

Em parecer assinado no último dia 9, o Subprocurador-Geral de Justiça Jurídico e Institucional Marcelo Ferra de Carvalho rechaçou os apontamentos municipais e sustentou que o ente agiu de má-fé ao tentar embargar a homologação, já que não há quaisquer omissões a serem sanadas na questão.

“Nessa linha intelectiva, após inúmeros recursos protelatórios, beira a má-fé dizer que a Interventora não possui poderes para firmar um TAC na presente Intervenção ou que o TAC suprimiu o poder normativo do ente municipal e sua capacidade de auto-organização, autogoverno e autoadministração, sendo que a questão já foi discutida à exaustão, tendo sido inclusive objeto de pronunciamento do então Desembargador Relator, que não acolheu os outros três embargos declaratórios opostos”, sustentou o órgão ministerial, postulando pelo não acolhimento do recurso.

Na segunda-feira (15) foi a vez do Estado se manifestar, por intermédio do Procurador Carlos Antonio Perlin, em moldes semelhantes ao perecer ministerial. Perlin lembrou que, quando do início da intervenção, o TJ legitimou ao gabinete interventivo os poderes de gestão e administração, com autorização para editar decretos, atos, inclusive orçamentários, promover nomeações, exonerações e todas as medidas necessárias para que se cumprissem todas as providências indispensáveis para a regularização da saúde municipal.

Ante a ausência de omissões a serem corrigidas, o Procurador do Estado classificou que os embargos foram movidos com intuito meramente protelatório para rediscussão da matéria que, inclusive, já foi exaustivamente debatida no decorrer do processo.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet