Olhar Jurídico

Sábado, 13 de abril de 2024

Notícias | Eleitoral

TERÁ QUE APAGAR VÍDEO

Vice de Dorner é multado em R$ 30 mil por acusá-lo de envolvimento com esquemas de corrupção

Foto: Reprodução

Vice de Dorner é multado em R$ 30 mil por acusá-lo de envolvimento com esquemas de corrupção
Logo após deixar o Republicanos para se filiar ao PL como forma de receber apoio do ex-presidente Jair Bolsonaro para as eleições municipais de 2024, o prefeito de Sinop, Roberto Dorner, foi alvo de propaganda eleitoral negativa antecipada praticada pelo seu vice, Dalton Martini (PL). Isso levou o juiz Walter Tomaz da Costa, da 22ª Zona Eleitoral, determinar a remoção imediata do conteúdo publicado, sob pena de multa ao Facebook e à Dalton. Decisão foi publicada nesta terça-feira (2), no Diário Oficial do Tribunal Regional Eleitoral.

Leia mais
Entenda rito para STF decidir sobre validade da lei do Transporte Zero em Mato Grosso

 No conteúdo publicado no Instagran, Martini faz ofensas, sem provas, à Dorner, afirmando que estaria envolvido com a esquerda e esquemas de corrupção.

Dorner firmou sua ida ao PL no dia 20 de março e, no dia 22, Martini publicou o vídeo dizendo que foi protocolado junto à sigla a impugnação da filiação do prefeito, porque ele caminharia junto com a esquerda e que, por estar supostamente envolvido em esquemas de corrupção, estaria indo contra o que prega Bolsonaro.

Representação eleitoral, então, foi proposta por Roberto contra Dalton, visando o reconhecimento da propaganda eleitoral antecipada negativa por conta das notícias falsas proferidas, com objetivo de prejudicar sua imagem e desequilibrar a disputa eleitoral de 2024.

Dorner afirmou que a falta de Dalton feriu sua imagem e ofendeu diretamente sua honra e, por isso, pediu à Justiça a remoção imediata do vídeo, sob pena de multa.

Examinando o caso, o magistrado entendeu que o conteúdo publicado feriu o equilíbrio da disputa e configurou propaganda eleitoral negativa antecipada, uma vez que propagar feitos visando as eleições somente é permitido a partir do dia 15 de agosto do ano eleitoral.

Por fim, quando o representado diz no vídeo por ele feito e divulgado que o representante está "envolvido em esquemas de corrupção, em esquemas contra a moral e contra a ética", sem apresentar fatos e provas, lançando essa informação ao léu no instagram, onde o representado possui vários seguidores e que pode haver o compartilhamento dessa notícia com outras pessoas, "aí, sim, temos um fato de maior gravidade e passível de eventual reprimenda”, asseverou.

Ao reconhecer a precipitação do conteúdo, eivado de notícias falsas e incomprovadas, o juiz ordenou a retirada imediata do vídeo sob pena de multa diária de R$ 5 mil, e arbitrou à Daltoni multa de R$ 30 mil. Caso descumpra a decisão, o Facebook deverá pagar R$ 30 mil de multa diária.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet