Olhar Jurídico

Segunda-feira, 20 de maio de 2024

Notícias | Criminal

CASO ZAMPIERI

Presidente da OAB-MT volta a cobrar esclarecimentos sobre assassinato de advogado em Cuiabá

Foto: Reprodução

Presidente da OAB-MT volta a cobrar esclarecimentos sobre assassinato de advogado em Cuiabá
A presidente da Ordem dos Advogados do Brasil em Mato Grosso (OAB-MT), Gisela Cardoso, apontou que está acompanhando o desenrolar do assassinato do advogado Roberto Zampieri, ocorrido em dezembro de 2023, e ressaltou esperar que o crime seja efetivamente desvendado. Zampieri foi executado a tiros enquanto saía do seu escritório, situado no bairro Bosque da Saúde, em Cuiabá. 


Leia mais
 
Polícia pede prisão de casal suspeito de envolvimento na morte de Zampieri

“Tenho acompanhado desde o início, a polícia judiciaria civil tem colocado a OAB a par de todas as investigações, acho que a polícia tem dado uma resposta seria e rápida, três já estão indiciados, parece que houve agora um pedido a prisão de mais dois, e o que a gente espera, é que este crime seja efetivamente desvendado, e que os culpados possam, sim, responder nos limites da lei, que possa apresentar essa resposta para a sociedade e que esses culpados sejam punidos”, destacou Gisela, durante entrevista à imprensa nesta segunda-feira (19).

Na semana passada, a polícia solicitou à Justiça a prisão temporária de um casal de fazendeiros suspeito de participar da execução de Zampieri. São eles Aníbal Manoel Laurindo e Elenice Ballarotti, proprietários de uma fazenda em Aníbal. O pedido foi encaminhado ao juiz João Bosco Soares, do Núcleo de Inquéritos Policiais. Além do casal, José Vanderlei Laurindo, irmão de Aníbal, também é alvo de medidas.

O Ministério Público de Mato Grosso (MPE) denunciou, há cerca de 10 dias, Antonio Gomes da Silva, Hedilerson Fialho Martins Barbosa e o Coronel do Exercito Etevaldo Luiz Caçadini de Vargas por homicídio triplamente qualificado do jurista. 

De acordo com a peça, o crime foi cometido mediante paga e promessa de recompensa, com recurso que dificultou a defesa da vítima e emprego de arma de uso restrito. O juiz Wladymir Perri, da 12ª Vara Criminal de Cuiabá, aceitou a denúncia do MP e tornou o trio réu. 

Segundo as investigações, por motivos ainda não esclarecidos, o coronel reformado Etevaldo contratou o pedreiro Antonio e o instrutor de tiro e despachante Hedilerson para matar Roberto Zampieri. 

Em novembro, Antonio procurou a vítima sob o falso pretexto de contratar seus serviços profissionais. Ele chegou a marcar uma visita a uma propriedade rural com o advogado, com a intenção de matá-lo com uso de uma marreta. Na data marcada, o advogado mandou um amigo em seu lugar, frustrando o plano.

Posteriormente, Antonio solicitou que Hedilerson lhe trouxesse uma arma de fogo para execução do crime, recebendo uma pistola marca Taurus 9mm. 

“Na noite do macabro assassinato, a vítima saiu do interior de seu escritório de advocacia e, instantes após entrar no seu veículo automotor, foi surpreendida por Antonio Gomes da Silva, que já a espreitava, oportunidade em que foi atingida por diversos disparos de arma de fogo, que causaram sua morte por choque hipovolêmico decorrente de ferimentos perfuro-contundentes”, narra a denúncia. Antonio receberia R$ 40 mil para a execução do crime. 
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet