Olhar Jurídico

Domingo, 14 de abril de 2024

Notícias | Empresarial

CRISE DA COVID-19

Juíza autoriza apresentação de novo plano de recuperação judicial para lojas da marca Aleatory

Foto: Reprodução

Juíza autoriza apresentação de novo plano de recuperação judicial para lojas da marca Aleatory
A juíza Anglizey Solivan de Oliveira, da 1ª Vara Cível de Cuiabá, autorizou a reapresentação do plano de recuperação judicial de uma rede de lojas varejistas, após impactos sofridos pela pandemia da covid-19. O plano inicial foi homologado em 2019, por dívidas acima de R$ 2,3 milhões. 

Leia mais
Juíza homologa Recuperação Judicial de lojas de grife de shoppings, por dívidas de R$ 2,3 mi

Lojas franqueadas à marca Aleatory fazem parte do grupo familiar que pediu a recuperação judicial, sendo elas: Pantanal Comércio de Roupas, Jardim América Comércio de Roupas, V.G. Comércio de Roupas e San Remo Comercio De Roupas. As unidades ficam localizadas nos shoppings Pantanal, 3 Américas e Várzea Grande Shopping.

O grupo apresentou o pedido de recuperação judicial em 2017, no entanto, ele só foi homologado em 2019. As obrigações deveriam ter sido cumpridas até o final de 2020, conforme acordado com os credores. 

No entanto, com a pandemia da covid-19, o setor do comércio foi afetado pelo isolamento social e fechamento de lojas, principalmente nos shopping centers de Cuiabá, e a crise econômica do grupo se agravou. Por isso, em 2021, os representantes das lojas pediram um aditivo ao plano de recuperação judicial. 

“As medidas de isolamento social recomendadas, à época, pela OMS, e implementadas pelos Órgãos Governamentais, embora visassem proteger a população da disseminação do Coronavírus, acabaram, de fato, por impactar na atividade econômica, ante a paralisação parcial ou total na produção, além de acarretar em uma queda substancial no consumo de bens e serviços”, diz trecho do pedido.

A juíza Anglizey Solivan de Oliveira entendeu que apesar do pedido ter sito protocolizado quase um ano após a isolamento social pela pandemia, os estabelecimentos situados nos shoppings centers foram duramente afetados pelo período emergencial. 

“Desse modo, ainda que o pedido de apresentação do novo PRJ tenha sido protocolizado quase um ano após a entrada em vigor da recomendação 63 do CNJ e quando a Prefeitura Municipal de Cuiabá já havia autorizado o funcionamento dos estabelecimentos situados nos shoppings centers, (Decreto Municipal de 02/03/2021), como pontuado acima são inegáveis os efeitos negativos nos caixas das recuperandas, por conta das medidas de isolamento social implementadas á época da pandemia do Covid-19”, diz a decisão.

Com isso, as empresas recuperandas receberam um prazo improrrogável de trinta dias corridos para apresentar o novo plano de recuperação judicial. 
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet