Olhar Jurídico

Segunda-feira, 24 de junho de 2024

Notícias | Criminal

MP QUER JÚRI POPULAR

Entregador que matou ex-mulher com facada no coração por não aceitar término vira réu

Foto: Reprodução

Entregador que matou ex-mulher com facada no coração por não aceitar término vira réu
A juíza Edna Ederli Coutinho, da Vara Criminal de Tangará da Serra, recebeu a denúncia do Ministério Público e tornou réu Kaique Marques Cavalcante, 28 anos, pelo homicídio da sua ex-esposa, a massoterapeuta Mikaelly Mendes da Silva, 26, executada a facadas no dia 7 de outubro. Decisão foi proferida em 30 de outubro. Na semana passada, a Defensoria Pública apresentou resposta à acusação. 


Leia mais
Homem que matou massoterapeuta a facadas não aceitava término e ameaçava sumir com a filha do casal


Ministério Público, por intermédio do promotor de Justiça Rodrigo Ribeiro Domingues, denunciou Kaique por feminicídio, com qualificadoras, e pediu que ele seja submetido ao Tribunal do Júri. 

A investigação revelou que o crime de homicídio foi praticado mediante tortura ou outro meio cruel, vez que o indiciado causou sofrimento desproporcional à vítima, a golpeando com uma faca, atingindo-a na região do coração.

Além disso, Kaique se utilizou de recurso que dificultou a defesa de Mikaelly, na medida em que a surpreendeu adentrando em sua casa no momento em que estava dormindo, sem que pudesse prever e esboçar qualquer tipo de reação ao ataque criminoso. Por fim, a investigação evidenciou que o crime foi praticado pelo denunciado contra sua ex-companheira, por razões da condição do sexo feminino, ou seja, o feminicídio.

Com essas razões, o MPE denunciou Kaique “como incurso no art. 121, § 2º, inc. IV e VI c/c § 2-A, incs. I e II do Código Penal, requerendo que, após o recebimento e autuação desta, seja citado, interrogado, o réu pronunciado e levado a julgamento perante o egrégio Tribunal do Júri, para que seja condenado na forma que se requer na presente exordial acusatória, por medida de justiça”, sustenta a denúncia.

Em resposta à acusação, manifestada nos autos no último dia 7, a Defensoria Pública sustentou que não constatou a presença de preliminares a serem apontadas, assim como não tem documentos a oferecer em defesa do acusado e não tem provas a serem requeridas, além das que serão devidamente produzidas em juízo. Assim, somente apresentou a total discordância da denúncia do MPE.

Apesar de receber a denúncia, a magistrada ainda não decidiu sobre o requerimento pela pronúncia de Kaique ao Tribunal do Júri. 

O crime

Informações obtidas pelo Olhar Direto apontam que Kaique Marques Cavalcante, de 28 anos, não aceitava o término do relacionamento com a massoterapeuta Mikaelly Mendes da Silva, de 26 anos, e por isso a executou.

Foi apontado que, quando o suspeito ingeria bebidas alcóolicas, costumava agredir a vítima e ameaçava sumir com a filha do casal. Eles estavam separados desde o mês de setembro.

Mikaelly foi morta durante a madrugada, no bairro Tangará I, em Tangará da Serra. O casal teve um desentendimento. Kaique pegou uma faca e partiu para cima da esposa. 

De acordo com a mãe de Kaique, ele chegou na residência dela bastante alterado e confessou que havia matado Mikaelly. Em seguida, a mãe colocou a neta para dormir e disse que o filho deveria se entregar na delegacia.

Em conversa com os policiais civis, a mãe de Kaique relatou que o filho e a nora estavam tendo atritos há vários dias e que o homem estava tentando superar o término do relacionamento.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet