Olhar Jurídico

Sábado, 20 de abril de 2024

Notícias | Criminal

DEFESA PREPARA HC

Justiça mantém prisão de ex-secretário, advogado e demais integrantes de suposto esquema que desviou R$ 87 mi

Foto: Reprodução

Justiça mantém prisão de ex-secretário, advogado e demais integrantes de suposto esquema que desviou R$ 87 mi
O ex-secretário de Saúde de Cuiabá, Célio Rodrigues, e o advogado Hugo Castilho, alvos da operação Cartão-Postal, deflagrada para desarticular esquema de desvio que se instalou na gestão da Saúde de Sinop, foram mantidos presos após audiência de custódia nesta quinta-feira (19), por decisão do juiz João Francisco Campos de Almeida. O caso corre em segredo de Justiça e a informação foi confirmada pela defesa de Célio. O defensor Ricardo Spinelli afirmou que o pedido de revogação das detenções aguarda manifestação do Ministério Público. No entanto, enquanto isso, ele já está ajuizando habeas corpus no Tribunal de Justiça (TJMT). 

Leia mais
Expulso de esquema, médico delatou organização criminosa que desviou R$ 87 milhões da Saúde


Além dos dois, Jefferson Geraldo Teixeira, sócio de Hugo e apontando também como um dos líderes do grupo, Roberta Arend Rodrigues Lopes, Elisangela Bruna da Silva e João Bosco da Silva também foram mantidos presos após a custódia. 

Jefferson é apontado nas investigações como sendo o responsável por gerir o Instituto que firmou contrato com a prefeitura de Sinop para subcontratar a empresa Medclin, uma das companhias usadas para o desvio milionário, de R$ 87 milhões. 

Roberta é acusada de ser a responsável por gerir a execução do contrato de aluguel de ambulâncias e seria quem indicava contas bancárias para a lavagem de capitais. Elisângela é servidora pública de Sinop e apontada como Fiscal dos contratos firmados entre o Município e o Instituto de Gestão de Políticas Públicas (IGPP). João Bosco é denunciado como sendo um dos laranjas do grupo, responsável por receber vultuosas quantias de dinheiro. 

Eles são investigados pelos crimes de organização criminosa, peculato e lavagem de capitais. A Operação Cartão-Postal foi deflagrada nesta quinta-feira (19), pela Polícia Judiciária Civil, que identificou a atuação de suposta organização criminosa que seria bem estruturada em hierarquia, divisão de tarefas entre seus componentes e que teria sofisticado esquema de atuação em conexão com o Poder Público Municipal, cujo objetivo principal era fraudar a prestação do serviço de saúde na cidade, para obter lucro mediante repasses financeiros aos líderes do esquema.

Foi verificado que o Instituto de Gestão de Políticas Públicas, contratado para gerenciar a pasta da Saúde de Sinop, teria sido especialmente ajustado para assumir a prestação do serviço de forma precária, tendo em vista diversas alterações formais que aconteceram em sua composição no mesmo período em que disputava a dispensa de licitação para assumir tais atividades, entre maio de junho de 2022.

Essa organização social voltou a vencer dispensas de licitação ocorridas entre outubro e novembro de 2022 e entre abril e maio de 2023, de modo que continua a atuar na cidade até hoje.

Com base nas investigações, foi determinado o bloqueio de valores das contas bancárias de 34 pessoas físicas e jurídicas, o sequestro de bens móveis de 21 alvos e o sequestro de bens imóveis de outros oito alvos, a fim de recompor os cofres públicos no montante de R$ 87.419.285,01, que é o valor global de três contratos celebrados entre Sinop e a organização social que gerencia a Saúde da cidade.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet