Olhar Jurídico

Sábado, 20 de abril de 2024

Notícias | Criminal

Ausência de requisitos

Juiz determina soltura de segurança acusado de dopar e estuprar filha de oito anos

Foto: Reprodução

Juiz determina soltura de segurança acusado de dopar e estuprar filha de oito anos
O juiz Anderson Clayton Dias Batista, da 2ª Vara de Peixoto de Azevedo, revogou a prisão preventiva do segurança Reginaldo Evangelista Francisco Rocha, de 31 anos, que foi indiciado por drogar e estuprar a filha de oito anos enquanto ela estava desacordada. O caso segue em segredo de justiça.

Leia também
Segurança que dopou filha de oito anos para estuprá-la se entregou por medo de ser linchado, aponta delegado


Segundo o apontado na decisão, houve ausência de requisitos legais para a manutenção da custódia cautelar. O Ministério Público não se opôs à revogação da prisão preventiva. 

Reginaldo estava escondido em uma propriedade na zona rural do município. Na quarta-feira (27), ele procurou a delegacia após ficar com medo de ser agredido por populares devido à repercussão do caso.

"O indivíduo se apresentou na delegacia e foi ouvido durante essa manhã e foi possível esclarecer diversos pontos da investigação neste momento", disse o delegado Geordan Fontenelle.

Reginaldo Evangelista teve a prisão preventiva decretada após representação da Polícia Civil no inquérito que e apurou o crime de estupro de vulnerável praticado por ele contra a filha de oito anos.

O fato ocorreu durante as férias escolares, entre os dias 3 e 24 do mês de julho, quando a vítima foi levada pelo pai para uma fazenda, na zona rural do município, onde ele trabalhava como segurança. 

Foi apontado que o segurança ministrou um comprimido para que a criança dormisse e abusou sexualmente da filha. 

A criança sofreu anteriormente outros abusos sexuais do pai, quando ele a buscava para passar alguns dias em sua companhia. Entretanto, o investigado a ameaçava para que ela não o denunciasse. 

Exame pericial concluiu que a menor tinha vestígios de conjunção carnal anteriores aos fatos ocorridos no mês de julho. ​

A investigação teve início a partir da denúncia da escola onde a menor frequenta. A menina apresentou mudança no comportamento, o que chamou atenção de uma professora, porque antes das férias escolares, a criança demonstrou um comportamento diferente, dizendo que não queria entrar de férias, provavelmente porque passaria o período com o pai.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet