Olhar Jurídico

Sábado, 22 de junho de 2024

Notícias | Eleitoral

negociação com Silval

MP pede o envio à Justiça Eleitoral de investigação sobre recebimento de R$ 2 milhões para campanhas de Riva e Janete

Foto: Rogério Florentino/ Olhar Direto

MP pede o envio à Justiça Eleitoral de investigação sobre recebimento de R$ 2 milhões para campanhas de Riva e Janete
Promotor de Justiça Carlos Roberto Zarour, do Ministério Público de Mato Grosso (MPE), apresentou requerimento para que seja enviada à Justiça Eleitoral investigação sobre captação ilícita de recursos no ano de 2014 para a campanha ao governo estadual empreendida por pelo ex-deputado José Riva.


Leia também 
Justiça arquiva denúncia contra deputada suspeita de coagir eleitores a votar em Bolsonaro

 
No anexo sete do acordo de colaboração premiada firmado por Riva, há referência ao tema captação ilícita de recursos em 2014. Segundo o MPE, o colaborador, na condição de pré-candidato ao Governo de Mato Grosso, solicitou ajuda financeira ao governador à época, Silval Barbosa, sendo que, após tratativas, o ex-governador teria concordado e determinado o pagamento da quantia de R$ 2 milhões.
 
Todavia, antes mesmo de receber o valor, Riva teve o registro de candidatura impugnado pelo Tribunal Regional Eleitoral, razão pela qual lançou a candidatura de sua esposa, Janete Riva.
 
Ainda de acordo com a delação, o pagamento das quantias ocorreu em 2014, da seguinte forma: R$ 1 milhão em material gráfico confeccionado pela empresa Gráfica Print; R$ 500 mil em dinheiro recebido de Antônio da Cunha Barbosa Filho, o Toninho Barbosa, irmão do ex-governador, no estacionamento do Alpha Mall (Condomínio Alphaville); R$ 500 mil em espécie recebidos diretamente do ex-governador Silval Barbosa na antessala do gabinete no Palácio Paiaguás.
 
Riva asseverou, ainda, que no mesmo período, o então Chefe do Executivo determinou entrega de 300 mil litros de óleo diesel, o que foi feito pelo Posto Marmeleiro, repassando o equivalente em dinheiro.
 
Ao interpretar as informações, promotor de Justiça salientou que “há nos autos indícios de prática do crime previsto no artigo 350 do Código Eleitoral, o que atrai a competência da Justiça Eleitoral para processar e julgar”.
 
“Diante do exposto, o Ministério Público do Estado de Mato Grosso requer seja declinada a competência para prosseguir acompanhando as investigações em favor da Justiça Eleitoral, uma vez que compete à referida justiça especializada processar e julgar eventual prática de crime eleitoral”, finalizou o membro do MPE. O requerimento será examinado pela Justiça.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet