Olhar Jurídico

Sexta-feira, 01 de março de 2024

Notícias | Eleitoral

RECURSO REJEITADO

Justiça confirma tentativa de censura de Welington e nega direito de resposta

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Justiça confirma tentativa de censura de Welington e nega direito de resposta
A Justiça Eleitoral considerou "tentativa de censura" o pedido de resposta do candidato ao Senado Welington Fagundes (PL), após o programa eleitoral do candidato Neri Geller (PP) mostrar que Fagundes teria recebido R$ 1 milhão em propina, conforme delatado por um empresário à Polícia Civil. A informação consta no despacho do juiz Sebastião de Arruda Almeida, desta quarta-feira (07.09). 

Leia mais:
Justiça nega pedido de Wellington que tentava excluir postagens feitas por Neri Geller
 
Wellington já havia sofrido uma primeira derrota na Justiça, quando pediu que a TV Vila Real se abstivesse de veicular informações sobre as declarações do empresário Pierre Françoise, que confirmou o pagamento de R$ 1 milão em propina a sua campanha de 2014.

Welington voltou à Justiça em busca de direito de resposta, o que também foi negado. “O conteúdo questionado diz respeito a fatos relatados no âmbito do instituto da delação premiada e que foram também amplamente divulgados pela imprensa e, por isso, entendo que não extrapolam a liberdade de informação nem podem ser consideradas inverídicas”, afirmou o magistrado na decisão.

“Na petição inicial daquela representação um dos pedidos é justamente para que a emissora geradora ‘se abstenha de informar notícia inverídica a respeito do Representante, notadamente de que o mesmo é investigado em processo e/ou inquérito por Crimes em razão de depoimento do Sr. Pierre François Amaral de Moraes’, não sendo, pois, inverídica a alegação combatida”, completou o juiz.

Ao confessar à Polícia Civil a entrega dos recursos, Pierre Françoise disse que fez dois repasses a Welington. No primeiro, Pierre entregou, diretamente a Welington, R$ 500 mil em dinheiro acondicionado em uma caixa de vinho. O segundo repasse, no mesmo valor, foi feito ao filho do senador, João Antônio, em Rondonópolis. Um inquérito do caso foi instaurado pela Polícia Civil.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet