Olhar Jurídico

Domingo, 14 de julho de 2024

Notícias | Criminal

ATOS ANTIDEMOCRÁTICOS

Mais um réu de MT pelo 8 de Janeiro volta para a cadeia por violar tornozeleira; Moraes pede informações à PGR

Foto: Agência Brasil

Mais um réu de MT pelo 8 de Janeiro volta para a cadeia por violar tornozeleira; Moraes pede informações à PGR
O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), solicitou manifestação da Procuradoria-Geral da República antes de decidir se mantém ou revoga a prisão preventiva de Valdir Francisco de Souza, mato-grossense de Juara réu pelos atos golpistas do 8 de Janeiro. Decisão é da última quinta-feira (4).


Leia mais: Mais uma bolsonarista do 8 de Janeiro volta pra cadeia por violar tornozeleira eletrônica

Valdir foi preso em flagrante no dia dos atos. Posteriormente, Moraes lhe concedeu liberdade provisória, mediante uso de tornozeleira eletrônica, além de outras medidas como suspensão do passaporte e proibição de usar as redes sociais.

Nos autos do inquérito 4.921, o qual Valdir é réu pelos crimes de incitação ao crime e associação criminosa, Moras determinou que as centrais de monitoramento enviassem ao STF informações sobre os acompanhamentos das tornozeleiras.

Foi então que, em 11 de junho, a Secretaria de Estado de Segurança Pública do Estado (Sesp-MT) informou que Valdir violou e desligou o equipamento em outubro do ano passado. Diante disso, ele teve sua prisão preventiva novamente decretada.

Contra a ordem, defesa de Valdir ajuizou pedido, na quarta-feira (3), visando a revogação da sua prisão, sob argumento de que ele não sabia que a tornozeleira estava desativada.

Antes de decidir se revoga o cárcere, ou não, Moraes oficiou a PGR para manifestação sobre o pedido, no prazo de 5 dias.

Mato-grossenses voltam à prisão

Valdir se juntou à pelo menos seis réus de MT que violaram as respectivas tornozeleiras e voltaram à prisão: a servidora da capital Lindalva Cesaria de Campos, o morador de Juara Valdir Francisco de Souza, Lauro Henrique Xavier, de Alto Araguaia, Reginaldo Silveira, morador do CPA II, capital, Paulo Roberto de Moraes Delgado, residente no bairro Quilombo, capital, e Elisangela Maria de Jesus Moura, de Barra do Garças.

Todos eles violaram o monitoramento eletrônico e, por isso, tiveram as prisões decretadas por Moraes.
Entre em nossa comunidade do WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Assine nossa conta no YouTube, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet