Olhar Jurídico

Sexta-feira, 01 de julho de 2022

Notícias | Criminal

fraudes no CAR

Sétima Vara Criminal recebe denúncia da Operação Polygonum contra ex-secretário de Meio Ambiente

Foto: Reprodução

Sétima Vara Criminal recebe denúncia da Operação Polygonum contra ex-secretário de Meio Ambiente
A juíza Ana Cristina Mendes, da Sétima Vara Criminal de Cuiabá, recebeu denúncia da Operação Polygonum em face do ex-secretário de Meio Ambiente, André Luís Torres Baby. Decisão é do final de maio. O ex-superintendente de Regularização e Monitoramento Ambiental, João Dias Filho, também se tornou réu no processo.  

Leia também 
MPT e Marinha fazem operação para verificar segurança do trabalho de mergulhadores no rio Teles Pires

 
Na operação, deflagrada em 2018, se descobriu um robusto e organizado esquema, cujo objetivo era legitimar polígonos de desmatamentos criminosos em áreas rurais não consolidadas e, com o uso de meios fraudulentos, ampliar áreas para o uso alternativo do solo.
 
Denúncia descreve dois fatos. Primeiro, no dia 17 de maio de 2018, o denunciado João, na Superintendência de Regularização e Monitoramento Ambiental, teria atribuído prioridade para análise do Cadastro Ambiental Rural (CAR) da Fazenda Nossa Senhora Aparecida.
 
Consta, ainda, que o motivo para tal inserção seria pelo fato do proprietário do imóvel estar com problemas para ser liberada a Autorização Provisória de Funcionamento, mas segundo consta dos autos, este fato não existia, e teria sido uma informação falsa e, com isso o CAR teria sido analisado prioritariamente, “cortando fila” e beneficiando o proprietário do imóvel.
 
Consta de relatório feito por analistas do órgão ambiental que teriam confirmado a atribuição de urgência e que foi “validado em desacordo com os parâmetros técnicos legais e vigentes”, e que o referido CAR em virtude das investigações realizadas no âmbito da Operação Polygonum, teria sido posteriormente cancelado.
 
Segundo fato, o denunciado João, no dia sete de março de 2018, na Superintendência de Regularização e Monitoramento Ambiental, teria atribuído prioridade para análise do CAR da Fazenda Fronteira.
 
Consta, ainda, que teria sido inserido com a justificativa de que estaria na Coordenadoria de Agricultura, Pecuária Extensiva e Semiextensiva, responsável pelas análises e liberações da APF Rural, bem como que após inserção do CAR no sistema, teria sido analisado com prioridade, resultando em benefícios indevidos ao proprietário do imóvel. 
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet