Olhar Jurídico

Segunda-feira, 08 de agosto de 2022

Notícias | Eleitoral

envolvendo gráfica

PF pede mais prazo para concluir investigação contra Taques por suposto caixa 2 de R$ 2 milhões

Foto: Rogério Florentino

PF pede mais prazo para concluir investigação contra Taques por suposto caixa 2 de R$ 2 milhões
A Polícia Federal (PF) solicitou mais prazo no dia 17 de dezembro para finalizar investigação envolvendo o ex-governador de Mato Grosso, Pedro Taques, acusado pela suposta prática de caixa 2 eleitoral. Há suspeita de que Taques tenha sido beneficiado por doações de campanha nas eleições de 2014, não contabilizadas em sua respectiva prestação de contas, feitas, em tese, pela empresa Gráfica Print, no montante de R$ 2 milhões.

Leia também 
PF descarta suposto caixa 2 de R$ 820 mil em nome de Pedro Taques e pede arquivamento de inquérito
 

“Considerando que se avizinha o término do prazo de permanência do feito em sede policial e estando no aguardo de outras diligências, remetam-se os autos ao Ministério Público Federal a quem, nos termos do artigo 10, parágrafo 3.º , do Código de Processo Penal, solicito novo prazo para continuidade das investigações”, requer a PF.
 
O caso tem como base delação premiada firmada pelo empresário Alan Malouf. O empresário Dalmi Defanti, dono da Gráfica Print, prestou depoimento à Polícia Federal confirmando que realizou serviços à campanha de Pedro Taques, no ano de 2014.
 
Conforme declarações, parte de valores pagos pela campanha foram devolvidos. Dalmi, porém, não identificou quem teria recebido. Em trecho do depoimento, o empresário chegou a dizer que se encontrou com Taques, sem negociações ilegais. O ex-governador teria salientado que em seu governo não haveria direcionamento de licitações.
 
Arquivamento
 
Taques vem observado diversas manifestações por arquivamentos de investigações baseadas na delação de Alan Malouf. O último caso foi relatório da PF pedindo arquivamento de inquérito sobre suposta doação ilegal feita pelo empresário e Fernando Minosso, no montante de R$ 820 mil.
 
“Considerando a falta da prova da materialidade dos supostos fatos criminosos apontados em delação premiada, esta Autoridade Policial sugere o arquivamento do presente feito”, finalizou manifestação assinada pela delegada Karoline Araujo Diniz.
Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real, clique aqui

Comentários no Facebook

Sitevip Internet