Olhar Jurídico

Domingo, 25 de julho de 2021

Notícias / Civil

ex-governador

Silval Barbosa recorre para anular sentença que reconheceu calote em advogado eleitoral

Da Redação - Arthur Santos da Silva

21 Jul 2021 - 15:44

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Silval Barbosa recorre para anular sentença que reconheceu calote em advogado eleitoral
O ex-governador de Mato Grosso, Silval Barbosa, recorreu contra sentença que o condenou a pagar R$ 60 mil, a título de honorários, ao advogado Lauro José da Mata. Conforme os autos, processo foi finalizado antes da produção de prova oral, fato que supostamente acarretou cerceamento de defesa.

Leia também 
Ex-adjunto preso por suposta propina cita necessidade de viagens e volta a pedir retirada de tornozeleira

 
O advogado foi contratado em 2010 para apresentar defesa em uma representação que tramitou perante o Tribunal Regional Eleitoral do Estado de Mato Grosso. Em decorrência da urgência daquela demanda e em relação a confiança entre as partes, o requerido acabou por não assinar o contrato de honorários que havia sido formalizado pelo autor.
 
Lauro José da Mata sustentou que ficou estabelecido entre as partes que os honorários advocatícios seriam pagos no montante de R$ 60 mil, levando em consideração a complexidade da causa e grau de relevância do objeto.

Ainda segundo o advogado, após a conclusão da causa com êxito, o requerido não adimpliu com o pagamento dos honorários convencionados. Mata tentou solucionar de forma consensual, todavia, em razão de que o ex-governador se envolveu em processos judiciais graves, não houve acordo. Decisão da juíza Edleuza Zorgetti Monteiro da Silva, da 5ª Vara Cível de Cuiabá, que reconheceu a necessidade do pagamento foi estabelecida em 13 de julho.
 
Conforme os advogados de Silval, há falhas no julgamento. O juízo chegou a designar audiência de instrução para o dia 25 fevereiro de 2021. Em 19 de fevereiro, acolhendo pedido de Silval, o juízo determinou o cancelamento da audiência por meio virtual, devendo aguardar a abertura do Fórum para designação do ato. Porém, antes de nova designação, houve a sentença.
 
A defesa afirma ainda que sentença foi proferida sem o mínimo de provas. “Sem qualquer outro elemento que pudesse corroborar com o fato de que haveria inadimplemento por parte do apelante, o apelado somente traz aos autos cópia de documentos da Justiça Eleitoral em que atuou como patrono do apelante. Nada mais”.
 
Recurso contra a sentença ainda aguarda julgamento.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet