Olhar Jurídico

Domingo, 25 de julho de 2021

Notícias / Civil

interior de MT

Defensoria Pública pede reunião com bispo para solucionar falas homofóbicas de padre

Da Redação - Arthur Santos da Silva

21 Jun 2021 - 16:18

Foto: Reprodução

Defensoria Pública pede reunião com bispo para solucionar falas homofóbicas de padre
O Grupo de Atuação Estratégica da Diversidade Sexual e de Gênero (Gaedic) da Defensoria Pública de Mato Grosso encaminhou ofício ao bispo diocesano do município de Diamantino, Dom Vital Chitolina, solicitando uma reunião, nesta segunda-feira (21). A intenção é encontrar uma solução extrajudicial para a atitude do padre Paulo Antônio Muller, diante das declarações tidas como “homotransfóbicas”, feitas em missa.

Leia também
Ministro Gilmar Mendes completa 19 anos no Supremo Tribunal Federal


O padre teria cometido o crime ao mencionar, de forma pejorativa e discriminatória, a declaração amorosa do repórter da Globo, Pedro Figueiredo, feita ao companheiro, como exemplo do que vai contra o sacramento do casamento para a Igreja Católica. 

O coordenador do Gaedic Diversidade Sexual e de Gênero, Vinicius Hernandez, registra no documento as declarações feitas no dia 13 de junho, em Tapurah pelo padre, caracterizando-as como homofóbicas e em desacordo com uma das principais funções da Igreja, a de garantir a dignidade humana.

“Transcrevemos a íntegra da fala do pároco para evidenciar que nem a Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso, nem a Igreja Católica Apostólica Romana podem pactuar com a disseminação do ódio entre os seres humanos, principalmente, ao considerar que uma das prerrogativas de ambas as Instituições é a defesa dos vulneráveis”, diz o ofício.

O defensor registra ainda que: “as falas do padre incitam a violência, extrapolam o bom senso e ferem as leis e o direito  fundamental da dignidade da pessoa humana. A homotransfobia é considerada crime, não podendo a Igreja Católica, por quaisquer de seus representantes, ferir o ordenamento jurídico”.

O defensor lembra ainda que documento feito em recente sínodo com participação de 200 bispos, focado na família, apresenta “mudança da posição do Vaticano em relação à homossexualidade”. 

“De acordo com o conteúdo do documento, que foi lido na presença do Papa Francisco, foi possível notar uma inovação em relação ao atual tratamento dado a homossexuais, segundo Bruno Forte, secretário especial do sínodo: ‘Devemos respeitar a dignidade de cada pessoa. O fato de ser homossexual não significa que esta dignidade não é reconhecida e promovida. A ideia central é a promoção da pessoa independente de sua orientação sexual’”.

Hernandez cita outros documentos da Igreja nos quais o Papa Francisco se posiciona sobre o tema, além da  oração de São Francisco de Assis, para argumentar que diante de tais orientações, a atitude do padre foge às funções institucionais da igreja.

“Nota-se, reverendo, que a escrituras demonstram que independente da orientação sexual de cada indivíduo, a Igreja, os padres e qualquer pessoa tem o dever do acolhimento, do respeito e do amor. Desta feita, as palavras pronunciadas pelo padre durante a sua homilia, ferem a liberdade religiosa e de expressão, pregando o ódio, a violência, o preconceito, indo contra os dogmas e ensinamentos pregados pela Santa Igreja Católica”.

O defensor pede que o ofício seja respondido, o mais breve possível, para que uma solução conjunta seja discutida e solucione o impasse, “sendo a solução não limitada a valores indenizatórios, mas focada em atitudes que tragam retorno social positivo”.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet