Olhar Jurídico

Terça-feira, 22 de junho de 2021

Notícias / Geral

Sessão virtual

Cármen Lúcia e Marco Aurélio votam por liberar Copa América; Lewandowski quer plano de segurança

Da Redação - Arthur Santos da Silva

10 Jun 2021 - 09:37

Foto: Reprodução

Cármen Lúcia e Marco Aurélio votam por liberar Copa América; Lewandowski quer plano de segurança
O Supremo Tribunal Federal (STF) começou a julgar na madrugada desta quinta-feira (10) as ações que pedem a suspensão da Copa América no Brasil em razão da pandemia. O julgamento acontece em plenário virtual e tem previsão de encerramento ainda nesta quinta. Escolhida como uma das sedes, Cuiabá é parte interessada no resultado do julgamento. 

Leia também 
Operação da Deccor e Gaeco mira servidores e empresas investigadas em compra de medicamentos durante a pandemia

 
Conforme informações divulgadas pelo G1 em Brasília, Cármen Lúcia, relatora de duas ações, votou pela rejeição dos dois pedidos, por questões processuais. Ricardo Lewandowski relator de uma ação, votou por determinar que o governo apresente, em 24 horas, um plano "compreensivo e circunstanciado" com estratégias e ações para a "realização segura" do evento. Também votou por determinar que Distrito Federal, Rio de Janeiro, Mato Grosso e Goiás, além dos município do Rio de Janeiro, de Cuiabá e de Goiânia, "divulguem e apresentem ao Supremo Tribunal Federal, em igual prazo, plano semelhante".
 
Marco Aurélio Mello acompanhou o voto de Cármen Lúcia nos processos em que ela é relatora. Isto é, votou pela rejeição das duas ações. O ministro ainda não votou no processo sob relatoria de Lewandowski.
 
Na arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 849, a Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos (CNTM) pediu a concessão de medida liminar para suspender a realização do torneio. A entidade aponta o risco de aumento de casos de contaminação e de mortes pela Covid-19.
 
Já no Mandado de Segurança (MS) 37933, o Partido Socialista Brasileiro (PSB) e o deputado federal Júlio Delgado (PSB-MG) defendem que sediar a Copa América viola os direitos fundamentais à vida e à saúde, bem como da eficiência da Administração Pública.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet