Olhar Jurídico

Terça-feira, 22 de junho de 2021

Notícias / Civil

ligado a ex-deputado

Aprovado, plano de recuperação do Grupo Viana reduz passivo de R$ 317 milhões para R$ 95 milhões

Da Redação - Arthur Santos da Silva

05 Mai 2021 - 10:06

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Aprovado, plano de recuperação do Grupo Viana reduz passivo de  R$ 317 milhões para R$ 95 milhões
Após dois anos do pedido, o Grupo Viana, com sede em Primavera do Leste, teve seu plano de recuperação judicial aprovado durante Assembleia Geral de Credores (AGC), realizada na última quinta-feira (29). Com o plano aprovado, o passivo total, de R$ 317 milhões, foi negociado e caiu para R$ 95 milhões, uma redução de aproximadamente 70%, com prazo de dois anos de carência e de 15 anos para liquidação total. O grupo é de propriedade do ex-deputado estadual Zeca Viana e seus familiares.

Leia também 
Desembargadora nega prorrogar “blindagem” de Grupo Viana em processo de recuperação judicial

 
Em fevereiro de 2019, quando entrou com pedido de recuperação judicial na 2ª Vara Cível de Primavera do Leste, o grupo culpou a crise financeira do país, agravada pelos juros altos do setor, além de outros fatores econômicos que desestruturaram a solidez das empresas.

Logo após o pedido de recuperação judicial ser autorizado, o Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), suspendeu o processo de recuperação judicial do Grupo. A corte atendeu pedido de um dos credores, que apontava que o grupo não preenchia requisitos básicos para ter o benefício de recuperação judicial, incluindo inscrição na Junta Comercial num período mínimo de dois anos.

O advogado responsável pela recuperação judicial do Grupo Viana, Euclides Ribeiro, recorreu da decisão ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) e conquistou o direito de seguir com o plano de recuperação das empresas. A ação abriu caminho para que vários produtores tivessem reconhecido seu direito em juízo. E então, em 24 de dezembro de 2020, a Lei de Recuperação foi alterada para deixar de forma clara o direito do produtor rural de fazer Recuperação Judicial.

"Por ser um dos primeiros casos de recuperação judicial de produtor rural, o pedido chegou a ser barrado pelo TJMT, por ainda não haver um entendimento de que produtor rural não seria empresário e pudesse, quando necessário, usar da Lei de Recuperação Judicial. Depois de uma longa batalha jurídica, o STJ decidiu a favor da tese de que o produtor rural pode pedir sua recuperação e fixou tese que permite o pedido de RJ, com validade para todos os tribunais do país", explica Ribeiro.

Euclides Ribeiro, que é especialista em recuperação judicial, foi um dos responsáveis pela mudança no entendimento da lei que permite aos produtores rurais a possibilidade de fazer a recuperação judicial. Segundo ele, a recuperação é a solução de mercado para reestruturar um setor que há muitos anos carrega dívidas que são impagáveis, pois a atividade, que é de alto risco, não consegue remunerar os juros que foram e são  praticados até hoje.
 
"Normalmente são pessoas que estão em atividade há décadas e antes, por não terem registro em junta comercial, uma mera formalidade, eram impedidos de entrar com pedido de recuperação judicial. Após a mudança na Lei, centenas de produtores tiveram a oportunidade de negociar suas dívidas e além de salvar seus negócios, puderam dar continuidade nessa atividade que gera tanto emprego e renda em todo o país", argumenta Euclides Ribeiro.
 
O plano prevê ainda que credores que liberarem mais crédito ao Grupo Viana terão gatilhos para receber mais rápido seus valores e com menos desconto. O plano possibilita também que o Grupo receba aporte de capital o que já está em negociação já que agora está saudável financeiramente.
 

Comentários no Facebook

Sitevip Internet