Olhar Jurídico

Quinta-feira, 15 de abril de 2021

Notícias / Constitucional

concursos

Ministro leva ao plenário julgamento de lei que cria cotas em MT para pessoas com síndrome de Down

Da Redação - Arthur Santos da Silva

07 Abr 2021 - 14:16

Foto: Reprodução

Ministro leva ao plenário julgamento de lei que cria cotas em MT para pessoas com síndrome de Down
O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), adotou rito abreviado e determinou julgamento direto em plenário (sem exame liminar) de Ação Direta de Inconstitucionalidade ajuizada pelo governador de Mato Grosso, Mauro Mendes (DEM), contra a lei estadual  que fixa cotas para pessoas com síndrome de Down em concursos públicos do estado.

Leia também 
MP investiga compra na Santa Casa de aparelho de ressonância magnética que não foi encontrado


“Devido à relevância da matéria e o seu especial significado para a ordem social e a segurança jurídica, adoto o procedimento abreviado previsto no art. 12 da Lei 9.868/1999. Isso posto, solicitem-se informações ao Governador e à Assembleia Legislativa do Estado do Mato Grosso. Após, ouçam-se, sucessivamente, a Advocacia-Geral da União e a Procuradoria-Geral da República”, determinou relator na terça-feira (6). 

A norma, promulgada pela Assembleia Legislativa após a derrubada do veto do governador, reserva o percentual mínimo de 2% das vagas para pessoas com síndrome de Down com nível de cognição compatível com a atividade a ser desempenhada e prevê que as vagas não preenchidas serão destinadas a pessoas com outras deficiências.
 
Apesar de reconhecer os motivos louváveis que levaram à sua edição, o governador sustenta que a imposição, aos órgãos públicos, da obrigação de constituir equipe multiprofissional para avaliar candidatos não poderia ter origem em iniciativa parlamentar, pois a matéria é de iniciativa legislativa privativa do chefe do Poder Executivo. Ele aponta, ainda, a ausência de estudo e previsão de impacto orçamentário aos cofres estaduais e ofensa ao princípio da isonomia.

Ao pedir para suspender a lei estadual, Mauro Mendes sustenta que seu cumprimento causará transtorno administrativo ao estado, que terá de reservar, além do percentual de 10% já fixado pela Lei Complementar estadual 114/2020 a todas as pessoas com deficiência, mais 2% de vagas exclusivamente às pessoas com síndrome de Down.
Sitevip Internet