Olhar Jurídico

Quinta-feira, 15 de abril de 2021

Notícias / Civil

Prazo limite

Decreto com rodízio de funcionários e aumento da frota de ônibus precisa entrar em vigência até terça

Da Redação - Arthur Santos da Silva

05 Abr 2021 - 09:30

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Decreto com rodízio de funcionários e aumento da frota de ônibus precisa entrar em vigência até terça
Conciliação entre o Governo de Mato Grosso e o município de Cuiabá prevê que o gestor da Capital, Emanuel Pinheiro (MDB), tem que produzir novo decreto, com vigência a partir do dia seis de abril (terça-feira), prevendo o rodízio de empregados nos estabelecimentos privados.
 
Leia também 
OAB-MT requer esclarecimentos sobre Revalida da UFMT e estuda propor procedimento simplificado


Ainda conforme a conciliação, também até o dia seis de abril, o Município de Cuiabá aumentará a frota do transporte coletivo em 20 ônibus pertencentes à frota reserva, observado o horário de maior movimentação.
 
Cumprindo parte do acordo, Emanuel já anunciou que está em andamento a montagem do segundo ponto de vacinação contra a covid-19, que funcionará no estacionamento do SESI Papa, que vai atender a população da região Norte e Leste.

Terceiro polo de imunização será aberto no campus da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), que passará a funcionar no próximo dia 13, no modelo drive-thru para aplicação da segunda dose da vacina. O polo UFMT irá contemplar a região Leste da capital, além da região do Coxipó.
 
Conciliação
 
Em sessão de mediação promovida pelo Poder Judiciário de Mato Grosso na tarde desta quinta-feira (1º de abril), o Governo do Estado de Mato Grosso e o Município de Cuiabá chegaram a um acordo sobre as medidas de combate à pandemia da Covid-19 na Capital que conflitavam nos decretos expedidos pelas duas Instituições. A audiência foi realizada virtualmente, pela plataforma Teams, observando todas as necessidades de isolamento social.
 
Depois de muito diálogo mediado pelos desembargadores Clarice Claudino da Silva e Mário Roberto Kono, além da juíza Cristiane Padim, as partes chegaram às definições.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet