Olhar Jurídico

Terça-feira, 19 de janeiro de 2021

Notícias / Civil

Mesmo após decisão, idoso com dengue e suspeita de câncer aguarda UTI e corre risco de morte

Da Redação - Vinicius Mendes

11 Jan 2021 - 17:14

Foto: Reprodução

Mesmo após decisão, idoso com dengue e suspeita de câncer aguarda UTI e corre risco de morte
Agostinho Mariano da Costa Barbosa, de 72 anos, ainda aguarda transferência para uma UTI em Cuiabá, após recomendação médica informando que ele corre risco de perder a vida. O idoso está com suspeita de câncer de próstata e foi diagnosticado com dengue. Uma decisão da Justiça já determinou que ele seja transferido com urgência.
 
Leia mais:
Prefeitura lança edital de processo seletivo na educação com 100 vagas e salário de até R$ 4 mil; veja
 
A defesa de Agostinho entrou com uma ação de obrigação de fazer com pedido de tutela provisória de urgência contra o Município de Cuiabá e o Estado de Mato Grosso, buscando que ele seja transferido com urgência a uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI).
 
O idoso está internado no Pronto Atendimento, no município de Chapada dos Guimarães, em virtude de dificuldades respiratórias intensas, teste positivo para dengue, com sangramento digestivo pela boca, além da possibilidade de ser portador de câncer.
 
Ainda segundo a defesa, foi detectado também o comprometimento pulmonar bilateral grave, mais acentuado no pulmão esquerdo, o que faz com que o paciente necessite de suporte respiratório contínuo.
 
Além disso, ele está fazendo uso de sonda e apresenta diversos problemas de saúde, “dos quais somente em uma UTI poderá ser realizada uma melhor assistência médica, considerando que o Município de Chapada não possui condições para atendê-lo, dada a gravidade da situação, necessitando com urgência de transferência para UTI”.
 
Ao analisar o pedido a juíza Silvia Renata Anffe Souza considerou que ficou comprovada a necessidade de transferência de Agostinho para uma UTI, com urgência. Ela deferiu o pedido, determinando que sejam notificadas as Secretarias de Saúde, para que tomem as providências necessárias.
 
A magistrada deu prazo de 30 dias para que as rés apresentem defesa, no entanto, não impôs qualquer multa ou bloqueio.

Comentários no Facebook

Sitevip Internet