Olhar Jurídico

Domingo, 09 de agosto de 2020

Notícias / Geral

Desembargador suspende desocupação imediata de área às margens do Lago do Manso

Da Redação - Érika Oliveira

30 Jul 2020 - 17:55

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

Desembargador suspende desocupação imediata de área às margens do Lago do Manso
O proprietário de uma das áreas construídas às margens do Lago do Manso, em Chapada dos Guimarães, ganhou na Justiça, ao menos por enquanto, o direito de manter o espaço. A decisão é do desembargador João Ferreira Filho, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT). A ordem de desocupação suspensa integrava ação de reintegração de posse, movida pela empresa Furnas Centrais Elétricas S/.
 
Leia mais:
Furnas pede retirada de Malai Manso e moradores da beira do lago em Chapada dos Guimarães
 
Na decisão, o magistrado disse que não lhe parece “razoável” a desocupação imediata da área, uma vez que a decisão de primeira instância havia remetido o processo à Justiça Federal, para que esta verificasse possível interesse da União no caso.
 
“Pelo exposto, admito a interposição recursal tal como efetivada (CPC, art. 1.015), de modo que recebo e autorizo o processamento do agravo por instrumento, e defiro PARCIALMENTE o pedido de atribuição do efeito suspensivo ao recurso, mas apenas para suspender a determinação para que o réu/agravante desocupe a área litigiosa no prazo assinalado, ficando o quadro assim acertado até que a Turma Julgadora, melhor e mais informada pelo subsídio de outros elementos que virão aos autos, inclusive pelo contraponto que será feito pelas contrarrazões, possa decidir com certeza e segurança sobre o mérito do recurso”, esclareceu o desembargador.
 
A referida propriedade pertence a Alex Franco Vieira de Carvalho, um dos diversos proprietários de áreas com benfeitorias construídas ao redor do Lago. Na decisão de primeira instância, o juiz estabeleceu prazo de 15 dias para que o réu desocupasse voluntariamente o terreno discutido, sob pena de reintegração de posse.
 
A Furnas, conforme divulgado pelo Olhar Jurídico, moveu mais de 40 ações de reintegração de posse nos últimos dois meses, que tiveram como alvos o Malai Manso Hotel Resort S/A e moradores que construíram benfeitorias em áreas consideradas de preservação permanente às margens do Lago do Manso.
 
Furnas alega que nenhuma benfeitoria poderia ser construída na área que foi desapropriada em fevereiro de 1958 para a construção da usina. Em vistorias realizadas entre novembro do ano passado e fevereiro deste ano, a companhia constatou que foram verificadas construções consideradas “ilegais”, como ruas, cercas, quiosques, área gramada, pontes e passarelas na área do Malai Manso.
 
O advogado Tabajara Agular Praieiro Alves, que representa moradores de um condomínio à beira do Manso, sustenta que a decisão de desapropriação das margens do reservatório se baseia em uma interpretação ultrapassada da legislação ambiental. Ele explica que a medida vai prejudicar mais de mil pessoas que vivem nas regiões, como pescadores, guias turísticos e outros trabalhadores cuja renda está ligada ao Lago.
 
 
 
 

4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Raimundo
    31 Jul 2020 às 14:43

    Essa usina não tem nem licença ambiental, nunca fez a tal escadaria para peixes, resultado: o peixe no Manso acabou e o rio Cuiabá está no mesmo caminho.

  • Chacal
    31 Jul 2020 às 14:31

    O lago é artificial, gera empregos, riquezas, impostos e fomenta o turismo, é muito mimimi.

  • Rodrigo
    31 Jul 2020 às 12:43

    É por ações como a dessa quase extinta estatal (capital misto) que o Brasil continua um país subdesenvolvido com inseguranças jurídicas absurdas. Imagine um investidor estrangeiro vendo isso, com certeza não colocaria seu dinheiro no Brasil. Deixa-se construir empreendimentos multi milionários para depois exigir a sua demolição, alegando uma falsa preservação ambiental! Quer preservar? Demole a usina, aquele alagamento todo não é muito mais danoso? E aquelas arvores que estão até hj no fundo do lago? Pq q Furnas não bancam a sua retirada já que ficam lá se decompondo e poluindo a agua. Cortesia com chapéu dos outros é muito fácil! Chega a ser cômico, se não fosse trágico...

  • Paulo
    30 Jul 2020 às 21:06

    Deixou construir, agora que vem reclamar,tem coisa estranha no ar

Sitevip Internet