Olhar Jurídico

Domingo, 09 de agosto de 2020

Notícias / Administrativo

Tribunal de Justiça aposenta compulsoriamente juíza Flávia Catarina

Da Redação

30 Jul 2020 - 17:08

Foto: Reprodução

Tribunal de Justiça aposenta compulsoriamente juíza Flávia Catarina
O Órgão Especial do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) aposentou compulsoriamente a juíza Flávia Catarina Oliveira Amorim Reis. Decisão foi estabelecida nesta quinta-feira (30). Segundo apurado pelo Olhar Jurídico, cabe pedido de revisão disciplinar ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ). 

Leia também 
PGJ entra com ação para barrar verba indenizatória de prefeito e vice

 
Segundo informações recentes publicadas pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso, Flávia Catarina Oliveira Amorim Reis ingressou no Judiciário aos 22 anos, em 1985, como assessora da Terceira Vara Cível de Cuiabá. No ano seguinte tornou-se diretora administrativa, financeira e patrimonial do recém inaugurado Fórum de Várzea Grande e em 1987 atuou como magistrada dativa no Juizado de Pequenas Causas em Cuiabá.
 
Depois do concurso da magistratura, passou por diversas comarcas, como Nortelândia, Arenápolis, Nobres, Rosário Oeste, Mirassol D’Oeste e Cáceres, até chegar a 10ª Vara Criminal de Cuiabá, onde atuou por 18 anos. Desde 2016 está na Vara de Execução Fiscal.
 
O Órgão Especial do TJMT é composto por 13 desembargadores, sendo três natos (presidente, vice-presidente e corregedor-geral da Justiça) e mais 10, cinco dos mais antigos e cinco eleitos dentre os outros desembargadores.

14 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Cidadão
    31 Jul 2020 às 10:13

    Reportagem inacabada! Por qual motivo ela foi "premiada" com aposentadoria compulsória? Essa é a informação mais importante dessa matéria.

  • Thiago martelo
    31 Jul 2020 às 09:16

    "UÁI...." AGORA RECENTE O TRIBUNAL DE JUSTIÇA NÃO FOI CLASSIFICADO COMO UM DOS MAIS PRODUTIVOS!!?? JUSTAMENTE AGORA QUE ELA IRIA SER DESEMBARGADORA??? " HUMMM........." " MUITA INCOERÊNCIA""!!!????

  • José
    31 Jul 2020 às 09:05

    30 anos mamando o dinheiro publico, sem que seus pares fizessem nada, e depois a culpa é do povo, que precisa trabalhar mais para sustentar os caprichos de uma classe que esta acima de todos no Brasil, enquanto não se fizer um limpa no judiciario brasileiro, nada nesse pais muda. não adianta por politicos bons,

  • eduardo
    31 Jul 2020 às 08:57

    A Juiza foi aposentada por BAIXA PRODUTIVIDADE, EITA SE O POBRE APRESENTAR BAIXA PRODUTIVIDADE TA NA ROÇA, baixa produtividade traduzindo é um que não faz nada, senta em uma cadeira confortavel, liga o ar condicionado e espera o super salario cair na conta, eita

  • ILDO PEREIRA
    31 Jul 2020 às 07:04

    ISSO E UMA VERGONHA A JUIZA NAO FAZ SEU TRABALHO, POR ISSO E IMPRODUTIVA E VAI SE APOSENTAR COM SALARIO INTEGRAL, UMA VERGONHA SE ISSO ACONTECE NA INICIATIVA PRIVADA O FUNCIONARIO E DEMITIDO, NO SERVIÇO PUBLICO SE APOSENTA E NOS PAGAMOS A CONTA.

  • João Carlos Vicente Ferreira
    31 Jul 2020 às 06:54

    Qual é o valor dessa aposentadoria? Será pago com dinheiro do babaca do contribuinte, claro!!!! Assim que é.

  • Fernanda Vasconcelos
    31 Jul 2020 às 05:54

    Enquanto isso o cidadão de bem leva no mínimo 35 anos trabalhando para se aposentar com o salário mínimo. Bolsonaro 2022

  • Cibelia Lente
    30 Jul 2020 às 21:37

    É lamentável porque Dra Flávia Catarina tem serviços de relevância e expressão no Judiciário e, de consequência, em favor da sociedade Matogrossense. Deixou em Cáceres um legado sem igual na implantação do Juizado Especial e construção do Núcleo de Estágio da Faculdade de Direito da UNEMAT. Estou confiante que está situação se reverta ! Cibelia.

  • alexandre
    30 Jul 2020 às 21:19

    Judiciário é o paraíso..

  • Janete
    30 Jul 2020 às 20:11

    O judiciário precisa melhorar muito a qualidade dos magistrados. Hoje em dia é inaceitável alguém “entrar pela janela “. Aliás, isso deveria servir pra qualquer emprego público.

Sitevip Internet