Olhar Jurídico

Domingo, 09 de agosto de 2020

Notícias / Civil

Juiz suspende bloqueio de terrenos avaliados em R$ 1,5 milhão em mais dois processos de Eder

Da Redação - Arthur Santos da Silva

30 Jul 2020 - 15:54

Foto: Rogério Florentino/ Olhar Direto

Juiz suspende bloqueio de terrenos avaliados em R$ 1,5 milhão em mais dois processos de Eder
O juiz Bruno D’Oliveira, da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Ação Popular de Cuiabá, reconheceu mais dois recursos da empresa Brasil Central Engenharia Ltda e mandou suspender em duas ações diferentes bloqueios em 15 terrenos urbanos em nome do ex-secretário de Fazenda de Mato Grosso, Éder Moraes Dias.

Leia também 
PGJ entra com ação para barrar verba indenizatória de prefeito e vice
 

Decisão semelhante já havia sido estabelecida. Os terrenos são alvos de bloqueio em variados processos. As decisões mais recentes, do dia 28 de julho, foram proferidas levando em conta processo de 2014 e outro de 2015.
 
Segundo os autos, a empresa é proprietária dos 15 terrenos urbanos, todos situados no município de Nossa Senhora do Livramento, adquiridos de Eder através do instrumento particular de compra e venda datado de  2012 pelo valor de R$ 1,5 milhão.
 
“Analisando os autos, entendo ter restado, ao menos para essa seara inaugural, suficientemente provada a posse da embargante com os documentos acostados ao feito, notadamente pelas escrituras públicas de compra e venda dos imóveis, lavradas posteriormente à inclusão da transcrição”, afirmou Bruno D’Oliveira.
 
Ao acatar pedido liminar de suspensão de bloqueio, o magistrado explicou que a decisão traz pouco efeito prático. O eventual cancelamento definitivo da indisponibilidade somente é matéria a ser decidida por ocasião da análise do mérito.
 
"Recebo os presentes embargos de terceiro para discussão e, uma vez presentes os requisitos para a sua concessão, defiro o pedido liminar, o faço para determinar a suspensão das medidas constritivas lançadas nos bens litigiosos", finalizou o juiz.

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • silvio lopes de Moraes
    31 Jul 2020 às 07:44

    Esse cara é f demais,ninguém da conta dele ai no cuiabá.

  • Fpg
    30 Jul 2020 às 19:12

    Eu me fasso está pergunta todos os dias! Compensa ser honesto no Brasil? Tem como acreditar que existe leis ? Tem como acreditar em algum dos poderes? Única coisa que acredito que a justiça é cega por conveniência.

Sitevip Internet