Olhar Jurídico

Domingo, 09 de agosto de 2020

Notícias / Civil

Emanuel recorre contra cobrança de multa de R$ 200 mil por descumprimento de decisão de 'lockdown'

Da Redação - Vinicius Mendes

29 Jul 2020 - 12:20

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

Emanuel recorre contra cobrança de multa de R$ 200 mil por descumprimento de decisão de 'lockdown'
A Prefeitura de Cuiabá entrou com um recurso junto à  1ª Vara Especializada da Fazenda Pública da Comarca de Várzea Grande, contra a decisão que impôs multa de R$ 200 mil ao prefeito Emanuel Pinheiro e de R$ 100 mil ao secretário de Ordem Pública da Capital, Leovaldo Emanoel Sales da Silva, ambos por descumprimento da decisão judicial que determinou a quarentena obrigatória. Os recorrentes alegaram que não houve intimação pessoal sobre a cobrança.

Leia mais:
Multa de R$ 100 mil por descumprir decisão de 'lockdown' deve ser imposta a Emanuel e não contra prefeitura

O Município de Cuiabá entrou com embargos de declaração alegando omissão, obscuridade e contradição na decisão que impôs multa ao prefeito e ao secretário de Ordem Pública. O argumento foi de que a Justiça aplicou a multa sem prévia intimação pessoal, o que seria necessário.

"Simplesmente deixou de aplicar a súmula 410 do STJ sem demonstrar a existência de distinção no caso em julgamento ou a superação do entendimento daquela, que reza: 'a prévia intimação pessoal do devedor constitui condição necessária para a cobrança de multa pelo descumprimento de obrigação de fazer ou não fazer'", defendeu.

Com base nisso a Prefeitura pediu que o recurso seja provido "suprindo-se a omissão, esclarecendo-se a obscuridade e eliminando-se a contradição apontadas alhures, para afastar a aplicação/incidência/ordem de depósito das multas diárias sobre o Prefeito Municipal (no patamar de R$ 200.000,00) e o Secretário Municipal de Ordem Pública (no montante de R$ 100.000,00)".

As multas

Nas decisões pelas quais impôs a quarentena obrigatória o juiz seguiu levando em consideração a classificação de risco de contaminação do Governo do Estado, que apesar de ter melhorado para as duas cidades, ainda as coloca no nível de "risco alto" para o coronavírus.
 
Cuiabá e Várzea Grande estão em quarentena desde 22 de junho, quando Lindote determinou que os prefeitos cumprissem o estabelecido no artigo 5º do Decreto Estadual nº 522/2020, que prevê uma série de medidas restritivas para municípios de risco alto ou muito alto de contaminação pelo coronavírus.
 
No entendimento do magistrado, o prefeito Emanuel Pinheiro descumpriu a decisão judicial em dois momentos. No primeiro por demorar a publicar Decreto Municipal nos moldes do decreto estadual, visando o bem comum, “visto que ficou mais preocupado em recorrer da decisão do que efetivamente cumpri-la”.

Segundo o magistrado, a demora criou uma insegurança jurídica e motivou os munícipes cuiabanos a descumpri-la.
 
Já a segunda multa de Emanuel Pinheiro, também de R$ 100 mil, e de igual valor para o secretário de Ordem Pública, ocorreu em razão de omissão dos responsáveis, que em 8 de julho permitiram que cerca de 5 mil pessoas comparecessem ao velório/sepultamento do pastor Sebastião Rodrigues de Souza.

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Demerval Lima Medeiros
    31 Jul 2020 às 10:00

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

  • Jose Ruela
    29 Jul 2020 às 12:38

    Agora a procuradoria está advogando para a pessoa física do prefeito? Cade o MP?

Sitevip Internet