Olhar Jurídico

Domingo, 09 de agosto de 2020

Notícias / Criminal

MP se manifesta pela concessão de liberdade condicional de ex-desembargador condenado

Da Redação - Vinicius Mendes

29 Jul 2020 - 09:35

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

MP se manifesta pela concessão de liberdade condicional de ex-desembargador condenado
O promotor Reinaldo Rodrigues de Oliveira Filho, da 4ª Promotoria de Justiça Criminal da Capital, se manifestou pela concessão do Livramento Condicional do ex-desembargador Evandro Stábile por considerar que ele cumpre os requisitos necessários. Stábile foi condenado por aceitar e cobrar propina em troca de decisão judicial. 

Leia mais:
Desembargadora mantém ação contra Sachetti por prejuízo de R$ 884 mil em obra pública

O representante do Ministério Público citou um despacho judicial que pediu a Stábile que apresentasse justificativa sobre um possível descumprimento da pena, referente a uma notícia veiculada na mídia local que afirmou que o ex-desembargador teria cometido o crime de ameaça contra sua namorada.

Apesar de entender que as justificativas apresentadas pela defesa de Evandro Stábile não merecem acolhimento, o MP defendeu que o regime atual deve ser mantido.

A defesa do ex-desembargador pediu a concessão do benefício do Livramento Condicional. Livramento ou liberdade condicional é o sistema em que um condenado, ao invés de cumprir toda a pena encarcerado, é posto em liberdade se houver preenchido determinadas condições impostas legalmente.

O benefício é concedido quando o sentenciado, condenado a pena privativa de liberdade igual ou superior a dois anos, cumprir: mais de 1/3 da pena se não for reincidente em crime doloso (crime comum); mais da 1/2 da pena se for reincidente em crime doloso (crime comum); ou mais de 2/3 da pena, nos casos de condenação por crime hediondo ou a ele equiparado (tortura,tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, terrorismo), e desde que o sentenciado não seja reincidente específico em crimes desta natureza.

O Ministério Público entendeu que Stábile cumpre os requisitos para a concessão do benefício, e afirmou que ele vem cumprindo regularmente a reprimenda.

"No tocante ao instituto do Livramento Condicional, ainda num eventual cometimento de falta grave, não prejudicaria de nenhuma forma a apreciação e o deferimento do referido instituto, conforme entendimento sumular (súmula 441 do STJ). Diante disso, o Ministério Público manifesta-se favoravelmente à concessão do Livramento Condicional", opinou o promotor.

Desligamento

O desligamento de Stábile  obedeceu determinação da ministra Nancy Andrighi, do Superior Tribunal de Justiça (STJ). O crime de corrupção passiva foi descoberto no curso das investigações da operação Asafe, na qual a Polícia Federal apurou um esquema de venda de sentenças.

Na época da condenação, em 2015, a relatora da ação penal, Nancy Andrighi, apontou que o desembargador aceitou e cobrou propina para manter a prefeita de Alto Paraguai no cargo. Ela perdeu as eleições, mas o vencedor teve o mandato cassado por suposto abuso de poder econômico.  
 

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Paulo
    29 Jul 2020 às 12:24

    Se fosse um Zé ninguém ia mofa na cadeia

  • renan getulio
    29 Jul 2020 às 10:24

    Enquanto juiz/magistrado/desembargador vender sentença e aposentarem ele ganhando o mesmo salário que ganhava isso não vai mudar! Claro que nesse caso ele esta condenado, mas ainda recebe a grana...

Sitevip Internet