Olhar Jurídico

Domingo, 09 de agosto de 2020

Notícias / Civil

Justiça suspende contrato na Saúde de Cuiabá e bloqueia R$ 330 mil de secretário

Da Redação - Arthur Santos da Silva

27 Jul 2020 - 14:50

Foto: Rogério Florentino/ Olhar Direto

Justiça suspende contrato na Saúde de Cuiabá e bloqueia R$ 330 mil de secretário
A Justiça Federal determinou a suspensão imediata de contrato entre a empresa Clínica Médica Especializada Dr. André Hraqui Dualibi e a Secretaria Municipal de Saúde de Cuiabá (MT). Houve determinação ainda para bloqueio de R$ 330 mil nas contas de Luiz Antônio Possas, secretário municipal de Saúde. Valor corresponde ao suposto dano.

Leia também 
Antonio Joaquim é processado por desmatar partes de fazenda


A empresa foi contratada com dispensa de licitação, sem que houvesse a pesquisa de preços pertinente e por valores considerados superfaturados. O objeto da contratação impugnada diz respeito a implantação de programa de intervenção em crise, a fim de acolher em meio a tensão, os profissionais de saúde da Prefeitura de Cuiabá.

A liminar é resultado da Ação de Improbidade Administrativa ajuizada pelo MPF contra André Hraqui Dualibi (médico), Possas de Carvalho, João Henrique Paiva (secretário adjunto de Gestão da Secretaria Municipal de Saúde de Cuiabá), Milton Corrêa da Costa Neto (secretário adjunto de Planejamento e Operações da Secretaria Municipal de Saúde de Cuiabá) e outros.

Ação objetivava a imediata suspensão do contrato 187/2020/PMC (Dispensa de Licitação 030/2020) e seus efeitos financeiros, bem como a indisponibilidade de bens dos requeridos em valores suficientes a garantir o pagamento de multa civil e da indenização a título de danos patrimoniais.

A ação imputa aos requeridos atos de improbidade administrativa no processo de dispensa de licitação 35.605/2020, culminando em prejuízo ao erário (art. 10 da Lei 8.429/1992) e violação aos princípios da administração pública (art. 11 da Lei 8.429/1992), em razão de direcionamento de licitação e superfaturamento dos serviços contratados.

Na decisão, a Justiça Federal destaca que “dadas as graves consequências oriundas do possível prejuízo ao erário, especialmente de valores referentes ao orçamento da saúde pública, que passa por grave crise, bem como tendo em vista o poder geral de cautela inerente ao desempenho das atribuições jurisdicionais, entendo plausível o pedido de suspensão do contrato 187/2020/PMC (Dispensa de Licitação 030/2020/PMC; Processo Administrativo 35.605/2020) e qualquer pagamento ainda pendente atinente a ele, ante o risco de continuidade da contratação e pagamentos aparentemente viciados aumentando ainda mais o prejuízo ao erário”.

Determinou também a indisponibilidade de bens dos réus André Hraqui Dualibi, Luiz Antônio Possas de Carvalho, João Henrique Paiva e Milton Corrêa da Costa Neto até o montante global de R$ 330 mil – valor já liquidado do contrato, que corresponde ao prejuízo ao erário causado até o momento.

A Prefeitura de Cuiabá deverá ser intimada sobre a suspensão do contrato, ficando determinado que nenhum pagamento seja feito até o julgamento final da ação ou reapreciação da decisão liminar.

Outro lado

A respeito de ação na Justiça Federal que versa sobre contratação de serviços de acolhimento psicológico aos profissionais da saúde, a Procuradoria-Geral do Município informa que:

- A gestão municipal está totalmente tranquila quanto à observância dos princípios da moralidade, da economicidade, da legalidade e da transparência.

- O programa “Cuidando de Quem Cuida da Gente”, em meio à pandemia de Covid-19, oferece aos profissionais da saúde uma plataforma online com vídeo-aulas com técnicas para controle de estresse e prevenção do Transtorno de Estresse Pós-Traumático. Para aqueles que estão atuando na linha de frente do combate ao coronavírus, em unidades hospitalares, é oferecido ainda acompanhamento psicológico por 12 semanas. 

- O contrato de prestação de serviço prevê a realização de 4.800 sessões de terapia psicológica individuais, no valor de R$ 150 cada, com encaminhamento para avaliação psiquiátrica nos casos que apresentarem necessidade, no valor de R$ 250 cada consulta. Haverá ainda workshops presenciais nas unidades de saúde, quando acabar o período crítico da pandemia, já que, por hora, não é possível fazer aglomerações. 

- Desde o início do programa inédito no país, em maio, foram pagos R$ 330 mil, referentes à primeira etapa do serviço, que é a disponibilização da plataforma de psicoeducação e técnicas de intervenção. Nos primeiros três meses de atividades, mais de 2,5 mil servidores já foram beneficiados. A expectativa é que até o final do programa, 7 mil profissionais da saúde sejam atingidos.

- Todos os gastos com o programa estão disponíveis para consulta pública no Portal da Transparência, na aba “Covid-19” no site da Prefeitura de Cuiabá. 

- A Procuradoria-Geral do Município informa ainda que, atendendo à determinação da Justiça, os pagamentos serão suspensos e que ingressará com recurso nas instâncias cabíveis para reverter a decisão judicial.

 

7 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Tercio de Moraes Andrade
    28 Jul 2020 às 11:44

    Grande professor Líbero Badaró, sempre perfeito em seus comentários. É isso aí, tem que ter a equipe que faz a colheita para encher os bolsos do paletó, senão como é que banca as campanhas eleitorais ?

  • Líbero Badaró
    28 Jul 2020 às 11:41

    Ricardo_cba, você faz parte da turma que abastece os bolsos do paletó ou é dos que usufruem deles ?

  • Antônio
    27 Jul 2020 às 23:47

    Na boa cara não desejo mal a nenhum inocente, mas quem tira proveito numa hora destas merece pegar está doença e ficar uns 20 dias entubados para aprender a ser honesto.

  • Sagaz
    27 Jul 2020 às 20:46

    Se houve o dano, (art. 10 da Lei 8.429/1992) e violação aos princípios da administração pública (art. 11 da Lei 8.429/1992). Improbidade administrativa, porquê ainda o Secretário de Saúde Municipal da Capital não foi exonerado? Aos que pediam o mínimo de condição de trabalho no PSMC não houve clemência e sim represálias? Se depender da Gestão paletó, esse será só mais uma ingerência protegida pelos seus pares, eles entendem bem como fazer vista Grossa, arquivar assuntos quanto ao imoral e ilegal! E O POVO De olho!

  • Raimundo
    27 Jul 2020 às 19:50

    Mas como assim? O cara vai continuar no cargo?

  • Ricardo_cba
    27 Jul 2020 às 18:30

    É líbero Badaró, se ele não for um dos operadores desse sistema o senhor está comentando o crime de calúnia. Cuidado hein, o senhor tem todo direito de dizer o que pensa, mas tem a responsabilidade de provar suas afirmações.

  • Líbero Badaró
    27 Jul 2020 às 17:14

    Esse secretário é um dos operadores do sistema que abastece os bolsos do paletó.

Sitevip Internet