Olhar Jurídico

Quinta-feira, 02 de julho de 2020

Notícias / Civil

Buscando fôlego, empresas podem vender dívidas para sair da crise

Da Redação - Arthur Santos da Silva

29 Jun 2020 - 14:37

Foto: Rogério Florentino/ Olhar Direto

Buscando fôlego, empresas podem vender dívidas para sair da crise
Empresas endividadas e que estão com patrimônio comprometido podem recorrer à venda de seus créditos inadimplentes como forma de ganhar fôlego para enfrentar a crise decorrente da pandemia do novo coronavírus. O chamado ativo estressado, ou distressed assets, é negociado por fundos especializados que compram dívida, pagam os credores e depois podem vender esse ativo recuperado.

Leia também 
Juíza nega suspender processo que investiga esquema de R$ 3,5 mi durante gestão de Silval


Este tipo de operação se tornou viável com a implementação da Lei 11.101/2005, a Lei de Recuperação Judicial, que possibilitou a continuidade das atividades de empresas endividadas e a recuperação de seus ativos. Assim, o fundo atua como intermediário entre o recuperando e o credor, liquidando a dívida ativa com deságio e dando ao empresário a oportunidade de retirar a dívida do balanço patrimonial e aumentar sua capacidade de tomada de crédito.

O advogado especialista em recuperação judicial, Antônio Frange Júnior, explica que a venda de ativos estressados requer uma análise mais aprofundada por não ser uma opção vantajosa para todas as situações. “Por ser uma negociação que envolve a participação de fundos, requer um valor agregado maior para tornar a operação viável e despertar o interesse dos investidores”.

Os fundos nestes casos atuam como investidores, pois adquirem os créditos quando estão desvalorizados, pagam os credores com maior poder de negociação, e vendem após a recuperação dos negócios. Por serem consideradas operações de risco, os custos também são maiores.

“A participação de um intermediário jurídico é indispensável para viabilizar a negociação. A empresa em recuperação judicial ou extrajudicial que opta pela venda de ativos estressados tem que ser acompanhada para garantir a readequação do negócio e retomada da capacidade financeira”, explica Frange Júnior.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet