Olhar Jurídico

Quarta-feira, 15 de julho de 2020

Notícias / Civil

Presidente do Tribunal de Justiça nega novo recurso e mantém a quarentena obrigatória

Da Redação - Arthur Santos da Silva/Érika Oliveira

26 Jun 2020 - 19:05

Presidente do Tribunal de Justiça nega novo recurso e mantém a quarentena obrigatória
O presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), Carlos Alberto Alves da Rocha, negou mais um recurso da Prefeitura de Cuiabá e manteve a quarentena obrigatória na Capital e em Várzea Grande. Decisão é desta sexta-feira (26). Para o magistrado, o pedido de suspensão de liminar perdeu o objeto uma vez que o próprio prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) atende à decisão de 1ª instância, ao editar decreto que institui o isolamento coletivo.

Leia mais:
Prefeitura fará estudo e novo decreto com regras de quarentena obrigatória por regiões de Cuiabá

"Com efeito, após interpor o recurso e ajuizar este feito, o Requerente editou o Decreto Municipal n. 7.970/2020[1], justamente para, “em obediência a decisão proferida nos autos da Ação Civil Pública de nº 1015037.66.2020.8.11.0002”, determinar “as seguintes medidas a serem observadas no âmbito do Município de Cuiabá, no período de 25 de junho de 2020 à 09 de julho de 2020:” (art. 1º). Como se observa, não há mais que se falar em suspensão da execução da liminar deferida pelo Juízo de Primeiro Grau, eis que ela se encontra sendo cumprida pelo Município de Cuiabá. Diante do exposto, ante a perda superveniente do objeto deste incidente, JULGO PREJUDICADO o pedido deduzido na inicial", diz trecho da decisão.

Cuiabá e a cidade industrial foram classificadas como de alto risco para a transmissão do coronavírus em função do aumento do número de casos e de óbitos nos últimos dias. Justamente pelo cenário negativo, o juiz da Vara Especializada da Saúde Pública de Mato Grosso, José Leite Lindote, determinou que fosse cumprido decreto estadual que elenca ações a serem adotadas pelo Poder Executivo Municipal. 

Há previsão, além da quarentena, de implementação de barreiras sanitárias e permissão de circulação somente para quem exerce atividades essenciais. A decisão de Lindote já havia sido mantida pelo desembargador Rui Ramos em julgamento de agravo de instrumento. 

Atualizada às 19h19 


 

4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Cuiabano
    26 Jun 2020 às 21:14

    Já pode pedir música no Fantástico Emanuel.... esse não aprende nunca.

  • pedro
    26 Jun 2020 às 20:10

    Do que adianta essa quarentena obrigatória, se nós temos que seguir o decreto presidencial que coloca um monte de atividades não essenciais como necessárias? Basicamente tá tudo aberto...

  • Luis Henrique R P Preta Cpa
    26 Jun 2020 às 19:38

    Cel Sales ou alguém da Polícia, se ler este conceituado site, mande viatura fazer ronda na rua pedra preta. Tinha até jogo de bola na rua. Crianças não têm juízo, mas o duro de aguentar é ver mães pondo cadeira de fio na calçada para ver seus filhos pegando e passando coronavirus. Povo só aprende com correia.

  • PAGADOR DE IMPOSTOS
    26 Jun 2020 às 19:37

    SE O SENHOR LÊ JORNAL VAI VER O RECADO, PRECISAM MUDAR ESSE SISTEMA DE JUSTIÇA ARCAICO, ADVOGADOSE ADVOGADAS DANDO GOLPES RECEBENDO E NÃO ATUANDO, RECEBENDO AS CAUSAS E DANDO CALOTE , PERDENDO OS PRAZOS E A PARTE PREJUDICADA QUEBRANDO EMPRESAS INCLUSIVE, O JUDICIÁRIO TEM QUE COMEÇAR A MUDAR ESSE SISTEMA PERVERSO .

Sitevip Internet