Olhar Jurídico

Quarta-feira, 03 de junho de 2020

Notícias / Constitucional

STF autoriza Estado a manter alíquota previdenciária de 14% a militares sem sofrer sanções

Da Redação - Vinicius Mendes

21 Mai 2020 - 10:02

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

O ministro Alexandre de Moraes

O ministro Alexandre de Moraes

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), deferiu o pedido da Procuradoria Geral do Estado para que a União se abstenha de impor quaisquer sanções caso Mato Grosso mantenha a alíquota da contribuição previdenciária de 14% a servidores militares. Uma norma federal limitava a alíquota previdenciária para militares, o que contrasta com a lei estadual que fixou a alíquota em 14%.

Leia mais:
PGE aciona União por causa de norma que define alíquota previdenciária diferenciada para militares

A decisão foi publicada nesta quarta-feira (20). A preocupação do Estado de Mato Grosso é que, considerando o iminente conflito entre a aplicação da legislação Estaduall e a Federal, caso mantenha a alíquota prevista na Lei Estadual, poderá receber severas sanções por parte da União. O ministro então determinou que a União se abstenha de aplicar sanções.

"Defiro a tutela de urgência, liminarmente, para determinar que a União se abstenha de aplicar ao Estado de Mato Grosso qualquer das providências previstas no art. 7º da Lei nº 9.717/1998 ou de negar-lhe a expedição do Certificado de Regularidade Previdenciária caso continue a aplicar aos policiais e bombeiros militares estaduais e seus pensionistas a alíquota de contribuição para o regime de inatividade e pensão prevista em lei estadual, em detrimento do que prevê o art. 24-C do Decreto-Lei nº 667/1969, com a redação da Lei nº 13.954/2019".

Na ação a PGE relatou que o Estado de Mato Grosso editou a Lei Complementar Estadual nº 654 de 19 de fevereiro de 2020, que alterou a lei que dispõe sobre a contribuição previdenciária dos servidores públicos civis e militares ativos, inativos e pensionistas de Mato Grosso, e dá outras providências, para fixar a alíquota da contribuição previdenciária devida pelos servidores públicos no importe de 14%.

No entanto, citou que a União, por meio da Secretaria Especial da Previdência e do Trabalho do Ministério da Economia, editou uma Instrução Normativa que impôs aos Estados a aplicação das alíquotas previdenciárias definidas na legislação federal, a partir do mês de janeiro, para os militares ativos cuja contribuição anterior era superior a 9,5%, caso dos militares de Mato Grosso.

"Além disso, o citado ato infralegal federal previu, em seu artigo 22, a imediata suspensão da eficácia de todas as regras previstas na legislação dos Estados sobre inatividade e pensões de militares que conflitem com as normas de que tratam os artigos 24-A a 24-E e 24-H a 24-J, acrescidos pela Lei Federal nº 13.954/2019 ao Decreto-Lei nº 667/69", disse a PGE, que pediu o reconhecimento da inconstitucionalidade destes artigos.

5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • alexandre
    21 Mai 2020 às 12:53

    são os primeiros a ser aposentar , pois começam aos 18 anos...

  • servidor
    21 Mai 2020 às 11:35

    pq esse privilégio se todos servidores do executivo vão passar a ser cobrado 14%? 9,5 para 14% é muita diferença!

  • John
    21 Mai 2020 às 10:52

    Engracado quando para receber os direito.dos servidores civis (insalubridad. Adicionais) nao pode porq nosso regimento e o mesmo dos militares federales agora pra ter o algum beneficio ai se encuadra nos servidores civis cara de pau esse governador que acabou consedendo aumento exorbitante de dga e o.ministerio público como sempre fica calado.

  • PAGADOR DE IMPOSTOS SEM RETORNO
    21 Mai 2020 às 10:30

    ESSE PESSOAL QUE TEM SALÁRIOS VITÁLICIOS AS PENSÕES DAS FILHAS DOS MILITARES QUE VIVEM ATÉ 110 ANOS SÓ RECEBENDO SEM NUNCA TRABALHAR TEM QUE TEM FIM, POIS O POBRE TRABALHADOR NÃO AGUENTA SUSTENTAR TANTO PARASITA A VIDA TODA É IMPOSSÍVEL

  • Jaime ferraz
    21 Mai 2020 às 10:25

    Muito justo, não tem sentido uma alicota diferente beneficiando apenas uma categoria, já que todos que se aposentam recebem da mesma fonte que é o MT Prev

Sitevip Internet