Olhar Jurídico

Quarta-feira, 03 de junho de 2020

Notícias / Civil

MP investiga pedido de rescisão contratual de empresa no PSM que alega falta de pagamentos

Da Redação - Vinicius Mendes

20 Mai 2020 - 11:31

Foto: Rogério Florentino/Olhar Direto

MP investiga pedido de rescisão contratual de empresa no PSM que alega falta de pagamentos
O promotor Alexandre de Matos Guedes, da 7ª Promotoria de Justiça Cível, de Tutela Coletiva da Saúde, instaurou um inquérito civil para apurar a continuidade dos serviços de anestesiologia no Hospital e Pronto Socorro Municipal de Cuiabá, após pedido de rescisão de contrato de uma cooperativa que alega que há valores não pagos pelo Município. A Prefeitura de Cuiabá afirmou que os valores devem ser quitados até o próximo dia 6 de junho.

Leia mais:
Juíza condena postos de Cuiabá a pagar R$ 500 mil por infrações em venda de combustível

A Promotoria recebeu informações da Cooperativa de Anestesiologistas do Estado de Mato Grosso (COOPANEST) sobre a formalização do pedido de recisão do contrato firmado com o Município de Cuiabá, através da Secretaria Municipal de Saúde, que previa a prestação de serviços médicos especializados em anestesiologia em procedimentos cirúrgicos, curativos, exames diagnósticos, inclusive tomografia computadorizada, em assistência aos pacientes do Sistema Único de Saúde atendidos no Hospital e Pronto Socorro Municipal de Cuiabá.

"A comunicante   apresentou   o   contrato   de   prestação   de   serviços   originário, estabelecido no ano de 2014, aditivo de acréscimo de plantões  (2015), aditivos de prorrogação de 2015, 2016, 2017, Termo de Apostilamento de Contrato com alteração de cláusulas, datado de 2018, extratos de valores não pagos pelo Município de Cuiabá e  que  dizem motivaram  o  pedido  de  rescisão, termo  de  notificação  expedido  pela cooperativa comunicando a pretensão de paralisar a execução dos serviços e rescindir o contato", diz trecho da portaria.

O promotor disse que  foram  requeridas à Secretaria Municipal de Saúde informações  quanto a rescisão contratual com a empresa COOPANEST, e também quanto a continuidade  dos serviços, mas que ainda não houve resposta. Ele então determinou a instauração de inquérito para apurar o caso.

"Diante das incertezas quanto a noticiada rescisão contratual e das prováveis consequências advindas da paralisação dos serviços de saúde em questão, diga-se, de singular importância e que não admitem interrupção sob pena de graves prejuízos aos usuários do SUS que deles necessitem, necessária a atuação do Ministério Público na defesa dos interesses coletivos da sociedade".

Outro lado

Em relação ao inquérito sobre os serviços de anestesiologia no Hospital e Pronto Socorro Municipal de Cuiabá, a Secretaria Municipal de Saúde – SMS informa:

- O inquérito ainda não chegou para o departamento jurídico da SMS.

- A Secretaria Adjunta de Gestão revelou que esses valores se tratam de restos a pagar e que o pagamento será liquidado até o dia 06/06.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Deia
    20 Mai 2020 às 14:28

    Vetado por conter expressões ofensivas e/ou impróprias, denúncias sem provas e/ou de cunho pessoal ou por atingir a imagem de terceiros. Queira por favor refazer seu comentário e reenviá-lo.

Sitevip Internet