Olhar Jurídico

Sábado, 30 de maio de 2020

Notícias / Civil

Promotor investiga gasto de mais de R$ 4 mi em combustível pela AL, que não foi comprovado

Da Redação - Vinicius Mendes

20 Mai 2020 - 15:00

Foto: Reprodução

Promotor investiga gasto de mais de R$ 4 mi em combustível pela AL, que não foi comprovado
O promotor Roberto Aparecido Turin, da 13ª Promotoria de Justiça Cível de Cuiabá, do Núcleo de Defesa do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa, instaurou um inquérito civil para apurar o gasto de mais R$ 4 milhões em combustíveis pela Assembleia Legislativa de Mato Grosso, sem a devida comprovação. Fatos semelhantes já teriam ocorrido anteriormente.

Leia mais:
Juíza condena postos de Cuiabá a pagar R$ 500 mil por infrações em venda de combustível

O representante do Ministério Público citou que foi instaurada uma notícia de fato com base em uma reportagem jornalística que dizia que a ALMT gastou mais de R$ 4 milhões com combustíveis, mas não conseguiu comprovar onde os veículos rodaram.

Uma auditoria realizada pelo Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso (TCE-MT) teria constatado uma série de irregularidades nos gastos com combustíveis, por parte da ALMT, no ano de 2018, com possível dano ao erário. 

Em uma portaria do último dia 18, o promotor Roberto Turin então decidiu instaurar inquérito civil para apurar o caso.

"Os fatos articulados são graves e merecem ser apurados, notadamente porque já houve em outras épocas fatos semelhantes, os quais foram em parte investigados pelo Inquérito Civil SIMP nº 000477-005/2013".

Outro lado

A Assembleia Legislativa informa que faz rigoroso controle de gastos com combustível, possuindo normatização interna acerca do assunto, com plena identificação de motoristas, servidores, veículos e informações detalhadas de abastecimento.

O valor mencionado na matéria representa percentual inferior ao permitido contratualmente para gastos com combustíveis, o que mostra cuidado com o gasto público.

O montante é proporcional à quantidade de deputados, servidores e principalmente à extensão territorial de Mato Grosso.

O tema objeto do inquérito civil esteve sob apuração do Tribunal de Contas quando do julgamento das Contas 2018 da ALMT, ocasião em que as contas foram aprovadas.
Além da aprovação das contas, no que é pertinente ao combustível, o Tribunal de Contas deixou claro a ausência de indícios de má utilização dos recursos públicos.

De todo modo, a Procuradoria da Assembleia Legislativa prestará os devidos esclarecimentos ao Ministério Público Estadual.

Presidência da Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • PAGADOR DE IMPOSTOS SEM RETORNO
    21 Mai 2020 às 08:02

    O POVO TRABALHA E MUITO E POUCO RECEBE E TEM QUE SUSTENTAR ESSE SISTEMA PODRE CHEIO DE PARASITAS OS POLÍTICOS GANHAM DEMAIS E AINDA DESVIAM ,E TEM MUITO PARASITA QUE GANHA SEM TRABALHAR ,OS JUÍZES GANHAM DEMAIS E FALTA JUÍZ TEM QUE AUMENTAR O NUMERO DE JUÍZES E DIMINUIR OS SALÁRIOS COBRAR PRODUTIVIDADE E PRAZOS QUE HOJE NÃO TEM, TA TUDO ERRADO

  • Jc
    20 Mai 2020 às 16:40

    E ainda querem colocar a filha do Homem para cuidar das finanças da AL daí que a vaca cai no brejo.

  • joana
    20 Mai 2020 às 16:38

    dizem as mas linguas que tinha um ex deputado que abastecia todos os carros da familia. era so chegar e assinar a nota

  • Ronaldo
    20 Mai 2020 às 16:08

    E por isso que não querem suspender o expediente na AL mesmo com caso de corona vírus. Pq aí sem trabalhar não tem como justificar os exorbitantes gastos. Será q tem esquema?

Sitevip Internet