Olhar Jurídico

Quarta-feira, 03 de junho de 2020

Notícias / Civil

Justiça penhora R$ 80 mil de ex-secretário por pagamentos irregulares a árbitros de torneios

Da Redação - Vinicius Mendes

18 Mai 2020 - 09:04

Foto: Reprodução / Ilustração

Justiça penhora R$ 80 mil de ex-secretário por pagamentos irregulares a árbitros de torneios
A Promotoria de Justiça de Canarana (a 823km de Cuiabá) obteve na Justiça decisão liminar favorável, que determina a penhora on-line nas contas e aplicações financeiras do ex-secretário Municipal de Esportes, Enio Heinche Haas, até o montante de R$ 80.737,84. Ele é requerido em Ação Civil Pública (ACP) por ato de improbidade administrativa e teria feito pagamentos irregulares a árbitros de torneios.

Leia mais:
Justiça determina penhora de mais de R$ 400 mil de contas de ex-prefeito

Conforme o Ministério Público do Estado de Mato Grosso, de 2013 a 2015, “a Secretaria Municipal de Esportes, então titularizada por Enio Heinche Haas, efetuou pagamentos a diversos árbitros de torneios esportivos, sem que houvesse nenhuma contraprestação em favor do Município de Canarana”. 

A denúncia foi feita por um homem que, embora constasse como beneficiário da quantia de R$ 8.250,00 no Portal da Transparência da Prefeitura, não havia prestado serviços ao Município e nem recebido por isso. 

Na ação, o promotor de Justiça Matheus Pavão de Oliveira consignou que “houve um aumento progressivo significativo (e injustificado) na quantia destinada aos pagamentos de árbitros”. 

A Prefeitura chegou a instaurar um Processo Administrativo Disciplinar (PAD) contra o requerido, que imediatamente pediu exoneração do cargo a fim de evitar a imposição de alguma penalidade. O procedimento culminou na destituição do ex-secretário do cargo, e reconheceu o prejuízo ao erário.

Enio Heinche Haas então reconheceu a dívida no valor de R$ 83.113,70 e parcelou o valor. “Entretanto, somente pagou duas das 70 parcelas devidas, no valor de R$ 2.375,86. Logo, ainda resta pendente o valor de R$ 80.737,84”, contou o promotor. Assim, o MPMT requereu a indisponibilidade de bens e valores do requerido.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet