Olhar Jurídico

Segunda-feira, 30 de março de 2020

Notícias / Civil

Justiça barra parte de decreto contra o Covid-19 que impedia escoamento de soja em MT

Da Redação - Arthur Santos da Silva

24 Mar 2020 - 14:30

Foto: Reprodução

Justiça barra parte de decreto contra o Covid-19 que impedia escoamento de soja em MT
O juiz Arthur Moreira Pedreira, da Segunda Vara Cível de Canarana (829 km de Cuiabá), suspendeu parte de decreto daquele município - para impedir a proliferação do novo coronavírus (Covid-19) - que impedia o escoamento de soja.

Leia também 
Juiz suspende ação de R$ 42 milhões para aguardar delação de Riva sobre 'máfia das gráficas'

 
O pedido liminar constava em mandado de segurança em nome da empresa CHS Agronegócio Indústria e Comércio, representada pelos advogados José Eduardo Polisel Gonçalves, Jackson Coutinho e Thiago de Abreu Ferreira. O decreto combatido foi assinado no domingo (22) pelo prefeito de Canarana.
 
O trecho do decreto que impedia o escoamento no município trazia a possibilidade de cassação do alvará de funcionamento e multa, bem como a solicitação de apoio policial.
 
No mandado de segurança, a empresa argumentou que a proibição de escoamento da safra com a permanência dos grãos no município de Canarana "impede a continuidade do ciclo produtivo, ou seja, obstaculiza que o alimento chegue à mesa do consumidor final".
 
O segundo argumento apresentado residiu no fato de que o Estado de Mato Grosso, inclusive o município de Canarana, não possui capacidade de armazenamento de toda a produção. "Segundo as estatísticas oficiais divulgadas pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), em Mato Grosso a capacidade estática dos armazéns é capaz de cobrir apenas 57,8% de todo o volume de grãos produzidos".
 
O apodrecimento dos grãos no pátio externo dos armazéns implicaria em proliferação de insetos e roedores prejudiciais à saúde humana, enquanto que o abandono dos grãos na própria lavoura traria resultados prejudiciais à próxima safrinha.
 
A decisão liminar do magistrado levou em conta o possível dano que o decreto poderia causar. "Em que pese o interesse local, não se pode olvidar interesses coletivos, os quais configuram atividade essencial, como é o caso da distribuição de alimentos".
 
A decisão que suspende parte do decreto, autorizando escoamento, foi estabelecida na segunda-feira (23).

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Olhar Jurídico. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Olhar Jurídico poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Analista Político
    24 Mar 2020 às 16:03

    O STF determinou que o Prefeito pode restrigir o transporte em Rodovia. Ademais o Brasil vai precisar de alimentos e a soja indo pra China?

  • Saulo
    24 Mar 2020 às 15:50

    Esse prefeito não tem noção nenhuma, ora impedir colheita de grãos? E olha que parece que vai pra reeleição.

Sitevip Internet